Diretora da Casan, Marly Pacheco, apresentou o projeto de saneamento à câmara na última semana. Prefeito Vânio Uliano não acredita que o investimento será feito em 2011, como promete a estatal.
Diretora da Casan, Marly Pacheco, apresentou o projeto de saneamento à câmara na última semana. Prefeito Vânio Uliano não acredita que o investimento será feito em 2011, como promete a estatal.

Karen Novochadlo
Braço do Norte

Braço do Norte vai entrar com um recurso contra a decisão da justiça, que permitiu a permanência da Casan no controle do sistema de gestão da água no município. O executivo tentou obter o controle do sistema, mas perdeu a ação em 1ª instância. A reclamação do prefeito Vânio Uliano (PP) é quanto a falta de investimento em saneamento básico e tratamento de esgoto.

A decisão da justiça foi proferida este mês. “Tenho certeza que ganharemos na 2ª instância. Do jeito que está, não dá para ficar. É um descaso”, aponta Vânio. A gestão da água em Braço do Norte é feita de forma compartilhada, entre a prefeitura e a Casan, há pouco mais de sete anos.
Representantes da estatal garantem que a estação de esgoto no município será feita.

A diretora regional sul da Casan, Marly Pacheco, apresentou o projeto à câmara dos vereadores na semana passada. Segundo ela, o financiamento da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) já está disponível à empresa.

Agora, é preciso esperar a aprovação da Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex), ligada ao Ministério do Planejamento. O projeto para implantação da rede de tratamento de esgoto em Braço do Norte é orçado em R$ 28 milhões.

Pela previsão da Casan, a obra deve ser iniciada no próximo ano e terminada até 2013. “Não é fácil conseguir recursos para uma cidade com menos de 50 mil habitantes”, justifica Marli.
Mesmo com a promessa, o prefeito não acredita que este prazo será cumprido. “Cansei de esperar. Além disso este financiamento está em discussão. Não é algo certo”, argumento Vânio.

Municipalização do sistema de água
A principal reclamação dos moradores de Braço do Norte e do prefeito Vânio Uliano (PP), é quanto a falta de investimento na área de abastecimento, saneamento básico e tratamento de esgoto. A tentativa do prefeito, de municipalizar a gestão do sistema de água, tem o objetivo de reverter este quadro. “Acredito que será possível fazer as obras que tanto necessitamos. Não precisamos da Casan. O que fizeram até agora?”, questiona Vânio.