Priscila Alano
Jaguaruna

Insegurança. Esta é a sensação dos servidores da prefeitura de Jaguaruna. Este mês, o prefeito Inimar Felisbino Duarte (PMDB) já anunciou: não tem previsão de quando poderá pagar o salário de julho. O vencimento é amanhã. Os funcionários do Consórcio Intermunicipal de Apoio a Criança e Adolescente (Ciaca) e do programa Estratégia da Família (ESF), por exemplo, estão com duas folhas atrasadas.

A prefeitura tem aproximadamente 600 funcionários entre efetivos, contratados e comissionados. O gasto médio com a folha é de R$ 700 mil por mês, o equivale a 54% da arrecadação da cidade. Apesar da dificuldade financeira, Inimar acredita que hoje poderá quitar pelo menos o salário de junho aos cerca de 30 funcionários do Ciaca.

O prefeito alega que em junho houve redução de 27% no valor do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Até maio deste ano, a arrecadação era de aproximadamente R$ 1,5 milhão. Em junho não atingiu R$ 1 milhão. “Fomos pegos de surpresa com a queda na arrecadação. Ainda trabalhamos no fechamento do balanço referente a julho, e não há previsão de quando vou pagar os salários”, lamenta Inimar.

Algumas medidas foram adotadas, como a redução no horário de atendimento da prefeitura e o corte de combustível e horas extras de algumas secretarias. “A preocupação é com o pagamento do 13º salário. Por isso efetuei alguns cortes para equilibrar as finanças neste segundo semestre”, Confirma Inimar.

Mandado de segurança

O Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Jaguaruna (Sinserj) aguarda a decisão da justiça sobre o mandado de segurança impetrado no último mês. A entidade solicita garantias de que o pagamento do salário seja efetuado para todos os funcionários no quinto dia útil do mês. A presidenta do Sinserj, Zaine Alves Savi Goulart, acredita que a justiça deve anunciar um posicionamento entre esta e a próxima semana.