O Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA), divulgou nesta sexta-feira (17) um novo relatório da balneabilidade das praias e balneários de Santa Catarina para a temporada de verão 2019/2020. Uma semana depois do último boletim, os locais analisados em Garopaba, Imbituba, Jaguaruna e Laguna seguem com condições favoráveis para banho.

Foram analisados cinco pontos em Garopaba, oito locais na cidade portuária, três em Jaguaruna e sete na Cidade Juliana. Para saber quais foram os pontos avaliados, os veranistas podem conferir a situação da balneabilidade das praias e balneários do Estado pelo site do IMA.

O relatório de balneabilidade é referente a coletas de 13 a 17 de janeiro de 2020. De acordo com as análises do IMA, 68,4% dos pontos estudados podem ser frequentados pelos banhistas. No último levantamento o resultado era de 65,8% dos 231 pontos analisados no litoral catarinense estavam próprios para banho.

Foram analisados pontos nos municípios de Araranguá, Balneário Arroio do Silva, Balneário Gaivota, Balneário Camboriú, Balneário Rincão, Barra Velha, Biguaçu, Bombinhas, Florianópolis, Garopaba, Governador Celso Ramos, Imbituba, Itajaí, Itapema, Itapoá, Jaguaruna, Joinville, Laguna, Navegantes, Palhoça, Passo de Torres, Penha, Balneário Piçarras, Porto Belo e São José. Em Balneário Camboriú, por exemplo, há quatro pontos impróprios, três deles na Praia Central. Já, em Bombinhas, são dois pontos a serem evitados pelos banhistas. Em Florianópolis, a Praia dos Ingleses, umas das mais famosas do Norte da Ilha, está com dois pontos impróprios.

O IMA-SC diz que um balneário é considerado impróprio quando em mais de 20% de um conjunto de amostras coletadas nas últimas cinco semanas anteriores, no mesmo local, for [constado índice de presença de bactéria] superior a 800 Escherichia coli por 100 mililitros ou quando, na última coleta, o resultado for superior a 2000 Escherichia coli por 100 mililitros. Por sua vez, a praia tem avaliação positiva quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras coletadas nas últimas cinco semanas anteriores, no mesmo local houver no máximo 800 Escherichia coli por 100 mililitros.