Zahyra Mattar
Braço do Norte

O município de Braço do Norte vive uma espécie de ansiedade coletiva. O motivo não poderia ser outro, a não ser o da chegada das quíntuplas. Nascidas na última quinta-feira, na maternidade Carmela Dutra, em Florianópolis, aos sete meses de gestação, as princesinhas continuam na unidade neonatal para ganhar peso.

Assim que atingirem os dois quilos, Evelyn, Paloma, Poliana, Vitória e Samanta receberão alta para voltar para casa com a mãe Sidnéia Daufenback Batista Voss, 31 anos, e o pai, Anderson Marcelino Voss.
C
onforme informações da instituição, Sidnéia passa bem e deverá receber alta hoje. Contudo, a fotógrafa ficará na capital para acompanhar de perto o desenvolvimento das filhas.

A família irá manter-se reservada neste momento e não dará entrevistas. Fotografias das bebês também não foram autorizadas ainda. Como estão na UTI neonatal, apenas a equipe médica e os pais têm acesso às crianças.
A preocupação dos pais no momento é com a alimentação das meninas. Como são cinco, Sidnéia não conseguirá amamentar todas, então, será necessário muito leite especial para complementar.

Uma indústria, cujo nome não foi divulgado, já se comprometeu em doar fraldas e outros materiais de higiene. Quem quiser e puder colaborar com leite pode fazer contato com os pais por meio do e-mail ne.iadb@hotmail.com.

Segundo caso no estado

Gestações de tantos bebês, como no caso de Sidnéia, são raras e geralmente ocorrem por meio de tratamento de fertilização, o que não foi o caso da fotógrafa de Braço do Norte. Casados há sete anos, Sidnéia Daufenback Batista Voss e Anderson Marcelino Voss tornarem-se os pais do segundo caso de quíntuplos em Santa Catarina. Em 1982, cinco crianças – três meninos e duas meninas – nasceram em São Miguel do Oeste. Hoje, aos 28 anos, todos moram e trabalham na cidade natal. Antes das princesinhas, Sidnéia e Anderson tiveram um filho, em 2008. Mas o bebê faleceu dois dias após o parto.