Agências bancárias de Tubarão estão em greve há 12 dias.
Agências bancárias de Tubarão estão em greve há 12 dias.

Zahyra Mattar
Tubarão

Após 12 dias de paralisação, os bancários da região poderão voltar ao trabalho hoje, ainda no período da manhã. Eles farão uma assembleia, às 8h30min, para deliberar sobre a nova contraproposta, feita pelas empresas segunda-feira. A tendência nacional é pela aprovação do acordo.

Para a rede privada, os bancos oferecem reajuste salarial de 7,5% para quem ganha até R$ 5.250,00. Aqueles com vencimento superior terão a garantia de aumento mínimo de 4,29%, o mesmo índice proposto desde agosto, data-base da categoria.
A rede pública terá o mesmo reajuste (7,5%). A diferença é que será de forma linear, ou seja, para todos os empregados, independente do salário. A Participação nos Lucros e Resultados (PLR) tem o mesmo percentual para ambas as redes.

Outras cláusulas sindicais, como garantia de emprego, por exemplo, também avançaram. “O movimento deste ano foi muito mais forte e isto fica claro como avançou mais rápido nas negociações”, avalia o presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Tubarão e Região (SEEBTR), Armando Machado Filho.

No ano passado, os bancários ficaram 29 dias em greve. Neste ano, apesar do tempo de paralisação ter sido menor, o movimento conseguiu agregar um maior número de agências. A adesão da rede privada, na última sexta-feira, contribuiu para que o movimento ganhasse ainda mais força.

Segunda-feira, na base do SEEBTR, apenas o Bradesco abriu as portas. As demais agências permaneceram fechadas, o equivalente a aproximadamente 95% dos bancos fechados. A base do sindicato em Tubarão é composta por 45 instituições financeiras.