Tubarão

O próximo sábado será mais uma vez dedicado à solidariedade, em Tubarão. Voluntários do Projeto João 3:16 estarão espalhados pelos principais semáforos no centro, da Cidade Azul para mais um pedágio solidário das 8 às 15h. O intuito da iniciativa é arrecadar fundos para o projeto, que há 7 anos colabora com moradores em situação de rua do município.

De acordo com um dos idealizadores da Casa de Apoio e do projeto, João Guilherme Lopes, é importante colaborar com a ação, pois com o dinheiro arrecado será possível dar continuidade nos trabalhos da casa. “Esta iniciativa ajudará a contribuir com o Projeto João 3:16. A contribuição financeira das pessoas que passarão pelos semáforos será muito importante para a continuidade dos trabalhos, porém quem não puder colaborar com algum valor em dinheiro, que nos auxilie com um sorriso. Isso é essencial para que possamos nos manter motivados”, afirma João Guilherme.

Se nos três pedágios anteriores o grupo encontrou na população a união e solidariedade. A expectativa é que mais uma vez os moradores do município e de cidades próximas possam colaborar com a iniciativa.  “Na casa, temos o apoio de uma psicóloga e um psiquiatra que tem auxiliado muito nos atendimentos. Por isso, queremos fazer o pedágio para dar continuidade na ação. Não temos parcerias com governo nenhum. Temos alcançado tudo com a colaboração dos moradores da cidade”, expõe.

O Projeto 3:16 iniciou entregando alimentos aos mais necessitados na Cidade Azul e, com o passar do tempo, viu-se a necessidade da criação da casa de apoio. Quando inaugurada no Monte Castelo, o grupo de apoio atendia três vezes por semana, ofereciam banho, alimentação e, aqueles que quisessem eram encaminhados para uma clínica. No entanto, desde setembro passado a iniciativa passou a atender as pessoas que necessitavam da instituição no bairro Humaitá. A ação também atende as famílias em vulnerabilidade social.

A ação conta com 25 voluntários e é mantido pela Igreja Assembleia de Deus Independente (ADI), com apoio de empresários e comunidade geral. Segundo João Guilherme, a iniciativa também acolhe crianças e realiza ações de impacto nos bairros.