Liliane Dias

Tubarão

Considerada uma das ações mais nobres desde que ‘o mundo é mundo’, o trabalho voluntário só faz bem, tanto para quem recebe como para quem o faz. Principalmente quando além de ajudar a melhorar a realidade de outras pessoas vem carregado de dedicação, carinho e de calor humano. Então não haveria combinação mais perfeita para acompanhar o tema deste dia 8 de março: Dia Internacional da Mulher! 

Dotada de sentimentos, compaixão e amor, a verdadeira mulher busca sempre agregar sentimento às ações, inclusive e por que não dizer, principalmente sociais. Desta forma, o dia da mulher não poderia passar desapercebido. Como exemplo de dedicação, amor ao próximo e luta, o Portal Notisul traz a história da profissional, mãe, irmã, filha, voluntária e acima de tudo mulher, Silvana Zardo Francisco.

Com uma mãe dona de casa e pai comerciante, a tubaronense tem duas filhas, Sofia e Mariana. Atualmente ela é presidente da Associação de Atendimento à Criança e ao Adolescente – Combemtu e coordenadora geral do Fórum das Entidades não Governamentais de Tubarão. A advogada tem um vasto currículo quando se fala em interagir em prol das pessoas menos ‘afortunadas’. Iniciou as suas atividades no voluntariado ainda adolescente, nas campanhas do colégio, que objetivava a vacinação em massa das crianças contra a poliomielite e não parou mais.

Foi integrante do Rotary Club Tubarão Luz, voluntária da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Tubarão e claro, paralelo a isto, a dedicação e excelência em suas funções no direito. A advocacia é a paixão que lhe rendeu grandes amizades e histórias que corroboram o ideal de cidadania, igualdade e inclusão social, que sempre permeou a sua personalidade.

Entre os anos de 1989 a 1995, foi policial civil e exerceu a função de escrevente policial. Trabalhou nos primeiros anos em que foi implantada a Delegacia de Proteção à Mulher e ao Menor, conserva grandes amigos desta época, com muitas experiências e aprendizados. Na Combemtu, embora envolvida há alguns anos, primeiro na assessoria jurídica, depois como integrante do conselho e agora como presidente, encontrou um novo estímulo. 

Uma inspiração

Sua irmã Neusa, de 63 anos foi sua inspiração! Ela é cadeirante e contribuiu muito para este processo. Além disso, filha de maçom, diz que o voluntariado sempre esteve presente em sua casa e sua família também que tem muitos membros com este perfil. Por conta da vivência, Silvana entende bem as necessidades de alguém com deficiência. Mesmo com boa estrutura, esteve sempre atenta às necessidades das pessoas, o que a motivou a atuar efetivamente. “Dificuldades, desafios, superação, amor, inserção fizeram a diferença. E cada pequena conquista celebra-se uma grande vitória”, explica.

Só quem vivencia entende o significado. Silvana avalia como muito positiva a influência dessas ações em sua vida. “Lições de tolerância, paciência e muita determinação. Não me quedo ao primeiro não. E criei um senso de união, de identidade, de que há pessoas com situações idênticas e que precisam de auxílio. Costumo dizer que quando estendemos a mão podemos alcançar o universo, se todos se unirem neste propósito”, pontua.

Ela conta que sempre esteve ligada a causas de ordem sociais, e poder estar apoiada numa equipe ativa e altiva é gratificante. “Poder acompanhar a evolução de nossos educandos, oferecer um serviço de qualidade à pessoas que tem uma realidade menos favorecida é desafiador diante da escassez dos recursos. O poder público nos auxilia com parte dos valores para suprir as nossas necessidades, mas não o suficiente. Não fosse a generosidade, o apoio de pessoas físicas e empresas, certamente teríamos que reduzir atendimentos, medida que sempre nos assombra. Precisamos de mais pessoas que acreditem nas entidades como investimento social!”

Para ela, não é difícil mudar a rotina, o seu entorno. Pequenas atitudes fazem a diferença. “O mundo precisa de mais empatia, de se colocar no lugar do outro. No direito, somos pela luta constante em busca de justiça social e da cidadania. Não é vã a previsão constitucional de que o advogado é indispensável à administração da justiça. É a voz do cidadão, na busca de seus direitos”, detalha.

A mulher no direito

Silvana conta que a justiça era um ideário poético encantador. “Sempre fui fã do tribunal do júri. Mas acabei me encaixando na área cível. Hoje temos uma população de mais de 1 milhão, 237 mil advogados, dados de outubro de 2019, sendo metade já alcançado pelo perfil feminino da profissão. Se projeta que em 2023 sejamos 2 milhões de profissionais. Hoje 170 advogados por habitante. Um número expressivo, mas uma área ampla que abre portas para muitas carreiras”, observa.

Tanto pela questão profissional, quanto no que se refere ao voluntariado e levando em conta que este domingo é o dia da mulher, a advogada pede que as pessoas aproveitam algum momento do dia para refletir e pensar nas ações de grandes mulheres que já fizeram história e cita o exemplo de uma grande personalidade. 

“A benfeitora Zilda Arns, exemplo no voluntariado e amor ao próximo, rendo minhas considerações. No Exemplo de que a mulher pode alcançar grandes continentes, desbravar grandes lutas em nome de um ideal. A mulher não está medindo forças com o homem, apenas busca seu espaço na sociedade, contribuindo equitativamente. Busquemos o respeito e o reconhecimento merecido e teremos menos violências, menos desigualdades e muito mais inserção. Que a mulher tenha a força e a coragem para expor sua voz e a sua liderança para contribuir sempre”, finaliza.