Zahyra Mattar
Tubarão

Os representantes do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Energia Elétrica do Sul de Santa Catarina (Sintresc) e gestores da estatal, ainda não chegou a um denominador comum.

O encontro, ontem à tarde, não havia terminado até o fechamento desta página, às 19h30min, assim como não havia qualquer tipo de definição quanto aos pleitos dos trabalhadores. Hoje, nova rodada de negociação é esperada. Caso não surja uma alternativa para contornar o impasse, os funcionários podem deliberar pela greve por tempo indeterminado.

Terça-feira, eles chegaram a paralisar as atividades como forma de protesto pela falta de diálogo. Cerca de 90% dos funcionários da estatal cruzaram os braços, o que pode indicar uma forte mobilização caso a greve seja aprovada. Esta decisão será tomada até a próxima segunda-feira.

O acordo coletivo da Celesc é negociado há mais de um mês e até agora as partes não entraram em sintonia no que diz respeito às questões salariais e aos benefícios. Os trabalhadores temem a perda de direitos (principalmente aos aposentados e novos ingressantes, já que a estatal pretende efetuar um concurso público em 2011) com a posse de nova diretoria, no próximo ano.

“Até agora, não conseguimos nada. Ao contrário, a empresa está muito intransigente, quer diminuir planos de saúde e odontológico e reduzir o anuênio, cortar as licenças prêmios e gratificação de férias”, enumera o diretor de base do Sintresc, Amarildo Machado Corrêa.