Imbituba

A direção da SCPar Porto de Imbituba, empresa estatal que desde 2012 administra o porto, acredita que este ano possa fechar com uma movimentação de 100.000 TEUs, o que representaria um crescimento de mais de 100% na operação de cargas conteinerizadas. Na logística de transportes, a sigla TEU (Twenty Foot Equivalent Unit) refere-se à Unidade Equivalente de Transporte. Esta unidade de transporte possui um tamanho padrão de contêiner intermodal de 20 pés.

A previsão é do gerente de operações da SCPar, Pablo Fonseca. De acordo com ele, no ano passado o crescimento foi de 80% na movimentação de contêineres, assunto que foi tema da revista ‘Container Management América Latina’, na edição de março deste ano.

A publicação inglesa destacou os principais fatores responsáveis pela alavancagem da operação de contêineres. Entre eles, o início da operação da linha Ásia (ASIA MGX2) e a reativação do modal ferroviário.

O serviço de longo curso passou a escalar Imbituba em setembro do ano passado, e foi responsável por 37% do volume anual. Já a ‘cabotagem’ cresceu 50%. Além disso, o transporte por meio da ferrovia Tereza Cristina, que liga o Porto a Criciúma, trouxe 20% da movimentação. Novos parâmetros operacionais, como a capacidade de receber grandes navios, devido à profundidade de 15 metros nos berços de atracação, também contribuiu fortemente para o desenvolvimento da unidade de Imbituba.

Conforme Pablo, a expectativa é de crescimento. “Esperamos fechar este ano com uma movimentação de 100.000 TEUs, um crescimento de mais de 100% na operação de cargas conteinerizadas”, conta.