Encontro debateu, entre outros importantes assuntos, a infraestrutura necessária para o desenvolvimento do porto e da cidade  -  Fotos:Assessoria do Porto de Imbituba/Notisul
Encontro debateu, entre outros importantes assuntos, a infraestrutura necessária para o desenvolvimento do porto e da cidade - Fotos:Assessoria do Porto de Imbituba/Notisul

 

Imbituba
 
A infraestrutura do Porto de Imbituba e do município são imprescindíveis para o aumento na movimentação de cargas. E foi justamente este o foco da reunião deste mês do Conselho de Autoridade Portuária (CAP). 
 
A importância do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ), a influência das obras de dragagem na movimentação de cargas e os seus reflexos na comunidade, além da transição da administração do porto com o fim da concessão, em dezembro deste ano, também integraram a pauta do encontro.
 
“Já fornecemos as informações que a Unisul precisa para elaborar a primeira fase do PDZ. Já tivemos reuniões com os arquitetos e urbanistas para os primeiros esboços do porto e de seu entorno. A partir de agora, quando o projeto estiver em definição, as opiniões dos conselheiros são de muito valor”, avalia o presidente do CAP, Gilberto Barreto.
 
Para ele, o PDZ é a melhor maneira de planejar o crescimento da cidade e do porto, de maneira organizada e sustentável. “Os grandes navios porta-contêineres dependem da dragagem. Cada mil contêineres geram cerca de 50 empregos na cadeia produtiva (do porto à indústria) e a projeção para os próximos anos é atingir um milhão de contêineres, o que significa 50 mil postos de trabalho”, prevê Gilberto.
 
Por isso, estipula o presidente do CAP, é preciso ter infraestrutura, não apenas no porto, mas em toda a região de influência do empreendimento. Somente desta forma, continua Gilberto, será possível atender a demanda e garantir que a atividade portuária não perturbe o meio ambiente e as comunidades no entorno do porto.