Pepê não quer descartar repetir o palanque vencedor à prefeitura de Tubarão em 2008. Mas avisa: “Não há racha ou brigas dentro do partido”
Pepê não quer descartar repetir o palanque vencedor à prefeitura de Tubarão em 2008. Mas avisa: “Não há racha ou brigas dentro do partido”

 

Zahyra Mattar
Tubarão
 
As eleições municipais de 2012 estão longe, mas já trazem discussões hoje. O assunto do momento é a possibilidade do vice-prefeito de Tubarão, Pepê Collaço, deixar o Partido Progressista. É verdade que ele recebeu convites de PMDB, DEM e PSDB. Mas é equivocada a certeza de que já haja acertos. Fala-se, ainda, em um racha entre a ala do vice-prefeito e do deputado estadual Joares Ponticelli. Pepê garante que não existe nada disso.
“Ponticelli sempre foi um modelo de político para mim. Não há briga, há divergência de ideias. Apesar de ter nascido no PP e querer ficar na sigla, é a continuidade no meu projeto político que está em jogo. Não tenho nada definido. Hoje, a prioridade é a prefeitura de Tubarão e a responsabilidade que assumi com o povo e com o (prefeito) Manoel (Bertoncini – PSDB)”, assegura Pepê.
 
Em primeira análise, tudo gira em torno do repeteco da dobradinha Bertoncini/Pepê em 2012. Prefeito e vice já deram a entender que almejam a vaga. A divergência dentro do PP é o fato de que Ponticelli já deixou dito que o partido quer a cabeça-de-chapa nas próximas eleições.
 
O posicionamento fecha as portas que outros correligionários do PP querem manter abertas. “Não consigo mais me imaginar em um palanque sem Bertoncini do meu lado. Eu quero voltar com ele em 2012. É isso que não entendem”, desabafa Pepê.
 
Paralelamente, outra análise: o PMDB vive uma situação delicada. Fora do poder desde 2000, não surgiram novas lideranças. Resultado: perdeu participação. Apesar de estarem em lados opostos, ambas as siglas, PP e PMDB, passam pela mesma tempestade. Agora resta saber quem terá mais jogo de cintura e maior visão política para abrir espaço.
 
Questão de prazo
Mesmo que não queira definir nada agora – não antes da reforma administrativa estiver aprovada e implantada -, o vice-prefeito de Tubarão, Pepê Collaço (PP), não terá muito tempo para debater o assunto. Tudo por uma questão de prazo eleitoral.
Conforme a lei, para ser candidato, é necessário ter, no mínimo, um ano de filiação partidária. "Acredito que até setembro tudo isto estará resolvido, e da melhor maneira possível para todos os lados. Sem brigas, sem ataques", prevê Pepê.