D: Julio, o irmão Fernando e Dona Maria na volta para casa após a alta no hospital

Mais uma história de superação da Covid-19, como muitas outras, que merece ser contada, compartilhada e comemorada. Fortalece a alma, o coração, diante de uma doença que tem causado tanta apreensão e tristeza. Felizmente, há os que conseguem vencê-la e, com isso, a esperança de que nem tudo está perdido; a vida renasce.

É o caso da aposentada Maria da Graça Fernandes, 70 anos, de Braço Norte. Após ficar uma semana no Hospital Santa Teresinha, diagnosticada com o novo coronavírus, ontem (3) foi um dia inesquecível para a família. Ela pode voltar para a casa!

Mas o susto foi grande para o marido e seus dois filhos. Dona Maria, como é carinhosamente chamada, não tem um quadro clínico favorável e faz parte dos grupos de risco. Teve dois AVCs, em 2017 e outro em 2018, e sofre do Mal de Alzheimer.

“Da noite para o dia, minha mãe acordou muito ruim, começou a ter insuficiência respiratória, mas não febre. Como já conhecemos sua situação, pensamos que o diabetes deveria estar nas alturas. Tinha dificuldade de caminhar, a cabeça afetada. Não conseguiu dormir no dia seguinte, vomitou, então a levamos para o hospital”, conta um de seus filhos, Julio Cesar Longuinho, 30 anos.

Isso foi na quarta-feira da semana passada e, ao chegar no hospital, por estar com falta de ar e ter comorbidades, foi direto para a ala da Covid-19. Segundo Julio, ela ainda tem sequelas e seu lado esquerdo é prejudicado. “A diabetes estava explodindo”, lembra.

Dona Maria usou máscara de oxigênio, mas não precisou ir para a UTI. Foi feita uma tomografia por uma suspeita de início de pneumonia e no mesmo dia o teste do coronavírus. O resultado veio quatro dias depois, no sábado, e deu positivo para a doença. “Pensamos que iríamos perdê-la, que não resistiria. Ficamos todos temerosos, as mortes já em nossa cidade, os casos registrados. Cheguei até a conversar com alguns parentes e falei isso”, emociona-se Julio, ao lembrar daquele dia.

A ótima notícia e o reconhecimento aos profissionais do hospital
Ontem (3) foi o grande dia. Novos exames foram feitos, de imagem e de sangue. Os médicos deram o feliz diagnóstico: a sua melhora, a evolução, e a não existência de novas infecções. Dona Maria ganhou alta.

“Nessas imagens foi uma grande sensação de alívio, algo inexplicável, uma surpresa, um milagre, só por Deus mesmo”, conta o filho.

Julio ressalta a dedicação dos profissionais de Saúde do Hospital Santa Teresinha, que não pouparam esforços e apoio à família e nos cuidados com sua mãe. Gostaria de falar os nomes de todos, mas posso pecar, o meu agradecimento aos doutores Reginaldo e Julia, foram quem cuidaram de minha mãe, e a todas as enfermeiras, sempre tão atenciosas, prestativas, foram demais”.

Vida que segue e tratamento em casa com a família reunida
Dona Maria nasceu em Tubarão, mas há muitos anos mora em Braço do Norte, cidade que adotou como sua para viver com a família. Além de Julio, tem outro filho, o Luiz Fernando Longuinho, 40 anos, e o marido Adimar Paulo Longuinho, 75 anos.

“Estamos todos juntos. Agora, ela precisa ficar mais sete dias em isolamento para fechar os 14 dias. Dentro de casa, tomando todos os cuidados, como a máscara, a higienização constante, assim como meu pai, que também é idoso, e meu irmão. Estamos todos em isolamento”.