O encontro, ocorrido ontem em Camaquâ, no Rio Grande do Sul, contou com a participação de mais de 100 representantes de entidades e produtores dos dois estados.
O encontro, ocorrido ontem em Camaquâ, no Rio Grande do Sul, contou com a participação de mais de 100 representantes de entidades e produtores dos dois estados.

Jaguaruna

Produtores de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul estão unidos para defender um importante setor econômico para os dois estados: a rizicultura. Em meio a mais um crise, pelo terceiro ano consecutivo, produtores reuniram-se para formular uma pauta de reivindicações. O documento será apresentado para o governo federal nos próximos dias.

Entre os pedidos, está o aumento do preço pago por saca ao produtor, o maior controle e fiscalização do arroz importado, especialmente dos países do Mercosul, e a revisão do endividamento agrícola.

A união dos dois estados tem um motivo: em ambos, os problemas são praticamente os mesmos. Além disso, juntos, catarinenses e gaúchos representam mais de 70% da produção nacional de arroz.

A maior reclamação é a falta de incentivos para manter o setor em operação. “Se a atual situação permanecer por muito tempo, poderá haver um colapso no setor produtivo do arroz. Este é o terceiro ano que enfrentamos problemas climáticos e com preços”, lamenta o presidente do Sindicato Rural de Jaguaruna, Rui Geraldino Fernandes.

Caso não haja encaminhamento para solução dos problemas por parte do governo federal, os rizicultores não descartam a possibilidade de realizar o fechamento de rodovias, especialmente a BR-101, como já foi feito no último mês, em Jaguaruna.