A história entre a bebê Alba e Luca Trapanese, que depois iria se tornar o pai dela, começou quando a criança tinha apenas 13 dias de vida. Na época, a menina já havia sido abandonada por seus pais biológicos e rejeitada por 20 famílias que queriam adotar um bebê. Tudo isso aconteceu com Alba porque ela nasceu com Síndrome de Down.

Por outro lado, Luca, que tem 41 anos, é homossexual e solteiro, sempre teve o sonho de ser pai. Morando na Itália, ele trabalha como voluntário em instituições para crianças com deficiência desde que tinha 14 anos.

No país, a adoção de crianças por um homem solteiro não é comum. As estatísticas ficam ainda menores quando este é homossexual. Mesmo assim, Luca decidiu tentar realizar seu sonho e, em 2017, as autoridades italianas competentes concederam a ele a permissão. Entretanto, havia uma condição: ele apenas poderia adotar uma criança com necessidades especiais. Além disso, o bebê precisaria ter sido rejeitado por outras famílias.

E então, em julho de 2017, Luca e Alba se encontraram. Em entrevista ao Bored Panda, o pai contou que sentiu que Alba seria sua filha desde a primeira vez que a segurou.

A história dos dois faz sucesso na internet e as fotos de pai e filha publicadas na rede social Instagram ultrapassam as 15 mil curtidas. Até o momento de publicação dessa matéria, Alba e Luca já somavam mais de 182 mil seguidores na conta.