A OAB/SC emitiu na manhã desta quarta-feira uma nota de repúdio sobre o assassinato da advogada Lucimara Stasiak de 29 anos, de Balneário Camboriú. Ela foi morta e esquartejada pelo namorado na quinta-feira passada, e a manteve no apartamento até ontem. 

Nesta manhã o presidente da OAB/SC, Rafael Horn, esteve no local onde a polícia negocia a rendição do acusado pelo crime e conversou com as autoridades policiais que conduzem o caso. 

“Ficamos consternados com o ocorrido e não aceitamos qualquer tipo de violência. Estamos falando da vida de uma pessoa, o bem mais precioso que temos, suprimida em circunstâncias dramáticas. A OAB catarinense atua pela igualdade de gênero, pelo protagonismo feminino em todas as camadas da sociedade e reiteradamente tem se posicionado pelo fim da violência contra a mulher, inclusive realizado ações junto à sociedade por intermédio das nossas comissões temáticas. Prestaremos todo o apoio necessário à família de Lucimara e estaremos do seu lado para que se faça justiça nesse caso”, afirma o presidente da Seccional.

A Comissão da Mulher Advogada, a Comissão de Combate à Violência Doméstica da OAB/SC e a Comissão da Mulher Advogada da OAB Balneário Camboriú, também estão acompanhando os fatos junto às autoridades policiais e prestando apoio à família.

A OAB/SC defende que a violência de gênero seja combatida, de forma exemplar, por homens e mulheres. “Estamos estarrecidos com o crime! Lucimara estava perto de nós, mas mesmo assim foi vitimada. Essa sensação de impotência é gerada em parte pela impunidade dos agressores e também pela manutenção da misoginia, fruto de um machismo estrutural que a sociedade brasileira não pode chancelar. Essa epidemia de violência contra as mulheres precisa acabar! Estamos e seguiremos em luta, diariamente, debatendo e propondo medidas contra a violência de gênero.”, declarou a presidente da Comissão da Mulher Advogada, Rejane Silva Sánchez.

“Lamentamos profundamente a morte brutal da nossa colega, o qual tudo indica ter sido assassinada pelo seu namorado. A nossa Comissão se preocupa e luta constantemente com a violência diária sofrida pelo povo brasileiro, em especial, de crimes cometidos contra a mulher”, afirmou a presidente da Comissão de Combate à Violência Doméstica, Patricia Christina Mendonça Fileti Pereira.

A OAB/SC finaliza a nota reafirmando o compromisso de fomentar o debate e promover ações efetivas contra a violência de gênero e  externa condolências aos familiares e amigos da vítima.

Dados

Conforme dados da Secretaria de Estado da Segurança Pública, o número de feminicídio entre 1º de janeiro e 11 de fevereiro de 2019 subiu 75% em comparação com o mesmo período de 2018. Até fevereiro deste ano foram registrados 7 casos. Em 2018 foram 4. O Brasil ocupa a 5º posição no ranking do feminicídio mundial.