Tubarão

O número de casos suspeitos de nova gripe em Tubarão subiu para quatro. Desde o começo da pandemia, em 11 de junho, apenas um caso foi confirmado na cidade. Uma mulher contraiu o vírus em uma viagem à Argentina. No sul catarinense, outros 13 casos são investigados. A maioria de pessoas que se contaminaram no exterior, especialmente Chile e Argentina. Ao todo, sete pessoas tiveram a doença.

No estado, o número de registros é de 60 (36 estão doentes, o restante melhorou) e há ainda outras 117 pessoas com suspeita de terem o vírus. No Brasil, o número de confirmações é de 1.175 (veja mais detalhes no quadro anexo à matéria). No total, 11 pessoas morreram em decorrência ao vírus A (H1N1).
Nesta sexta-feira, o governo brasileiro anunciou que o Exército ajudará a controlar o avanço da nova gripe em cidades estratégicas de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. O plano de ação é atuar nos postos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em municípios estratégicos dos três estados.

A medida foi tomada após a secretaria de saúde do Rio Grande do Sul informar que o estado é porta de entrada da doença no país e o Ministério da Saúde decretar a livre circulação do vírus no país. As cidades onde o Exército atuará não foram anunciadas ainda. Conforme autoridades de saúde de Santa Catarina isso, a princípio, está restrito aos municípios que fazem divisa com outros países, no oeste do estado.

O Comando de Operações Terrestres do Exército diz que, em coordenação com os órgãos de saúde regionais, planejou o emprego de equipes para distribuição de material informativo e preenchimento de formulários de controle de viajantes. A ação, que deve começar segunda-feira, irá monitorar as pessoas que entrarem no Brasil por vias terrestres, nos postos de 31 cidades nos três estados, durante um prazo de 90 dias.