O encontro entre representantes da Fenaban e dos trabalhadores terminou sem que nenhuma nova proposta fosse formulada. A reunião será retomada hoje, às 10 horas, em São Paulo.
O encontro entre representantes da Fenaban e dos trabalhadores terminou sem que nenhuma nova proposta fosse formulada. A reunião será retomada hoje, às 10 horas, em São Paulo.

Zahyra Mattar
Tubarão

Após quatro horas de debates, as negociações entre o comando nacional dos bancários e a representantes da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) foram suspensas. O encontro terminou sem que nenhuma nova proposta aos trabalhadores fosse formulada. A reunião será retomada hoje, às 10 horas, em São Paulo.

O índice da Febraban diz respeito à iniciativa privada. Contudo, é a partir deste percentual que o setor público (Caixa Econômica Federal e Branco do Brasil) elabora as suas propostas. Os trabalhadores em bancos do país estão há pouco mais de duas semanas de braços cruzados.

A paralisação já afeta com maior proporção os consumidores, especialmente porque a adesão ao movimento é maior em agências públicas – Banco do Brasil e a Caixa – as mais solicitadas pela maioria.
Na região de abrangência do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Tubarão e Região (SEEBTR), a greve atinge o setor público apenas. No privado, alguns funcionários ainda integram o movimento, mas interditos proibitórios conseguidos pelos bancos impedem manifestações em frente às agências.

Daí a impressão de que somente as agências públicas seguem paralisadas. Na última proposta, anunciada no dia 23 do mês passado, a Fenaban apresentou um índice de reajuste de 8%.
O percentual é 0,6% superior ao INPC (7,4%). Por outro lado, os trabalhadores pleiteiam a participação nos lucros e resultados e reajuste de 5% mais o índice do INPC (com isso, chega a um total de 12,8%).

Correios: da greve para o mutirão

Os trabalhadores dos Correios, em greve por 28 dias, retornaram ontem às suas funções. A previsão da empresa é normalizar a entrega de correspondências em todo o Brasil em um prazo de sete a dez dias.
Os serviços que foram suspensos durante a paralisação (sedex 10, sedex hoje e disque coleta) voltarão a funcionar até o próximo dia 24. Neste fim de semana, será realizado mais um mutirão nacional para despachar o máximo de objetos possível.
Em Santa Catarina, a carga de objetos qualificados e prioritários (sedex e PAC) está em dia, já que funcionários de outros setores foram deslocados para trabalhar nos fins de semana durante a greve.