Pouco antes de iniciar a entrevista coletiva diária para atualização dos números da Covid-19 no Brasil, o Ministério da Saúde confirmou, via Twitter, o terceiro caso de um paciente com o novo coronavírus no Brasil. Também adiantou que uma quarta pessoa pode ter sido infectada com a doença. Os exames de contraprova, segundo a pasta, estão sendo realizados.

De nacionalidade colombiana, o terceiro paciente com coronavírus no país, se trata de um homem, de 46 anos, residente de São Paulo. Ele foi atendido, com sintomas do vírus, nesta quarta-feira, no Hospital Israelita Albert Einstein. De 9 a 29 de fevereiro, o paciente viajou para Espanha, Itália, Áustria e Alemanha. De acordo com o Ministério da Saúde, todos os voos em que o paciente esteve foram identificados e os passageiros serão notificados pela equipe da pasta.

Um quarto possível caso a ser confirmado de Covid-19 está sendo investigado pelo Ministério da Saúde. O ministro de Saúde, Luiz Henrique Mandetta, classificou o caso como atípico, visto que se trata de uma jovem que, mesmo sem sintomas, apresentou resultado positivo ao coronavírus. O exame foi realizado em uma clínica particular. Nesta quarta-feira, o Ministério da Saúde encomendou uma contraprova e aguarda o resultado. A paciente é uma jovem, de 13 anos, residente de São Paulo, com histórico de viagem para Portugal e Itália. A paciente está em isolamento domiciliar.

Os outros dois pacientes com o novo coronavírus são de São Paulo e contraíram a doença em viagem recente à Itália. Eles não têm ligação entre si. Ao comunicar o terceiro caso, a Pasta tratou-o como importado, ou seja, em que a transmissão ocorreu fora do país. Nesta quarta-feira, o Brasil possui 531 casos suspeitos de Covid-19, espalhados por 27 estados. Ao redor do mundo, já passam de 95 mil o número de pessoas que pegaram a doença. Mais de 3,2 mil pessoas morreram.

A lista de países a serem monitorados pelo Ministério da Saúde, acerca da transmissão do vírus, subiu de 28 para 31 – com a inserção de Equador, Líbano e Argélia. O Ministério da Saúde alertou que, caso o cenário epidemiológico do Brasil seja considerado crítico, não está descartado o chamamento de profissionais da saúde por meio do Programa Mais Médicos. A convocação dos profissionais não aconteceria pelo Médicos pelo Brasil porque, segundo Mandetta, o sistema burocrático do programa ainda não está concluído.