Tubarão

Diagnosticado com leucemia, Pedro Ribeiro Cardozo, de 9 anos, precisa de um doador de medula óssea. Natural de Tubarão, o menino foi diagnosticado com a doença há três meses e meio.
De acordo com o pai, Paulo Cardozo Júnior, a criança já deu início ao tratamento de quimioterapia, em Florianópolis. Mas, segundo diagnóstico feito por um especialista de São Paulo, é quase certo que Pedro deva ser submetido também ao transplante de medula óssea, o que está motivando a busca da família por doadores.
Eles estão providenciando uma página no Facebook, para ampliar a divulgação. “Estamos buscando a cura do nosso filho, mas as doações podem servir para outros. Tem muita gente precisando de ajuda”, afirma Cardozo Júnior. O pai explica que os interessados devem se dirigir até um Hemosc.
Para que ocorra o transplante, é preciso que haja compatibilidade entre as células do doador e as do receptor. A leucemia é uma doença dos glóbulos brancos (leucócitos) de origem não muito conhecida.

Como ocorre a doação
Qualquer pessoa entre 18 e 55 anos com boa saúde pode doar medula óssea. Ela é retirada do interior de ossos da bacia por meio de punções; Os doadores preenchem um formulário e é coletada uma amostra de sangue com cinco ml para testes. Os testes determinam as características genéticas que são necessárias para a compatibilidade entre o doador e o paciente; Os dados pessoais e os resultados dos testes são armazenados em um sistema informatizado que faz o cruzamento entre os dados dos pacientes; Em caso de compatibilidade com um paciente, o doador é chamado para exames complementares e para realizar a doação; Para facilitar a chamada do doador, é importante que os dados cadastrais estejam sempre atualizados. (Fonte: Inca)