Cantoneiras são instaladas nos próximos dias na Ponte de Laguna. A ‘mão francesa’ será acoplada nos 52 vãos da estrutura  -  Foto:Muriel Albônico/Esga-Dnit/Notisul
Cantoneiras são instaladas nos próximos dias na Ponte de Laguna. A ‘mão francesa’ será acoplada nos 52 vãos da estrutura - Foto:Muriel Albônico/Esga-Dnit/Notisul

Laguna

As cantoneiras, conhecidas como “mão francesa”, começam a ser instaladas nos dois primeiros vãos da Ponte Anita Garibaldi, em Laguna. As estruturas triangulares serão utilizadas para dar suporte às pistas da rodovia sobre o canal, fixadas nos bordos exteriores das aduelas. Acima das cantoneiras são instaladas as pré-lajes para concretagem das pistas. 
 
As estruturas são fabricadas na frente de obras e medem 7,55 metros de comprimento por 2,55 metros de altura cada. Cada unidade pesa 6,5 mil quilos. É necessária a utilização de guindastes para içar e instalar individualmente. As cantoneiras são unidas ao tabuleiro de aduelas por cabos. As “mãos francesas” são instaladas a 3,65 metros uma das outras. Serão utilizadas e instaladas 1598 unidades nos 52 vãos da ponte.
 
A instalação das cantoneiras vai seguir nos próximos dias, dentro das condições de tempo estável na região. Os trabalhos não interferem no fluxo de veículos na rodovia. Porém, a atividade requer atenção dos motoristas, principalmente na manutenção da velocidade no limite de 60 quilômetros por hora. O Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) alerta os condutores para que não parem os veículos para registros fotográficos ou observação da obra. A medida é para evitar o tráfego lento. 
 
O termo “mão francesa” surgiu na França, sem data certa, para designar cantoneiras cujo elemento horizontal tinha a forma de uma mão espalmada, usada para apoiar vasos de plantas. São séries de tesouras ou escora, elementos estruturais inclinados que ligam um componente em balanço à parede, diminuindo o vão livre no pavimento inferior. Tem estrutura triangular, de madeira, concreto ou ferro, destinado a sustentar beirais.
 
Cuidados redobrados
A construção da Ponte Anita Garibaldi, em Laguna é um empreendimento rodoviário de grandes proporções. Toda a comunidade lindeira, localizada nos bairros Cabeçuda e Mato Alto precisam atentar para alguns itens de segurança. O mesmo é requerido dos pescadores, turistas e motoristas da BR-101 que trafegam entre o quilômetro 312 ao 314.
 
Pescadores artesanais ou turistas que naveguem pela lagoa Santo Antônio dos Anjos por canoas, lanças ou jet-skis devem atentar à circulação das balsas de serviço, transportando peças, camisas metálicas, trabalhadores e combustível, que navegam do canteiro central até a frente de obras em água. É preciso observar o espaço sinalizado em boias metálicas, onde o canal de serviço foi dragado para circulação das embarcações envolvidas na construção da ponte.
 
O Dnit e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) solicitam aos motoristas e pedestres, por vez, para atentar a movimentação de equipamentos e trabalhadores nas obras de construção. A frente de trabalho está toda cercada por tapumes, para segurança da população. Os moradores devem atentar aos cuidados necessários ao cruzar as faixas de rolagem construídas no desvio. Há dois pontos para travessia de pedestres identificados que devem ser respeitados. 
 
A obra
A ponte sobre o Canal de Laranjeiras terá 2.830 metros de comprimento, com pistas duplas, tendo quatro faixas de rolagem, duas para cada sentido de tráfego. A largura das pistas varia entre 24 a 26 metros.