O interior de Gravatal foi um dos mais afetados com a chuva
O interior de Gravatal foi um dos mais afetados com a chuva

 

Karen Novochadlo
Gravatal
 
Muitas cidades da Grande Tubarão já decretaram situação de emergência. Os municípios de Braço do Norte e Imbituba foram os últimos a oficializar.   
 
Em Imbituba, o prefeito José Roberto Martins (PSDB) decretou a situação de emergência ontem, após se reunir com a Defesa Civil do município e com as secretarias da prefeitura. As fortes chuvas que atingiram a cidade sábado provocaram estragos em várias ruas e em redes de drenagem.
 
Os bairros Paes Leme (Lomba) e Vila Nova Alvorada (Guarda) foram os que mais sofreram prejuízos. No bairro Penha, águas entraram nas casas. Nenhuma família ficou desalojada. Nesta quinta-feira, o prefeito deverá reunir-se com um conselho para contabilizar os estragos. 
 
O município de Braço do Norte sofreu várias avarias por causa das chuvas. Os estragos nas ruas dificultam a passagem de moradores, assim como o escoamento da produção agropecuária. A situação de emergência foi declarada pelo o prefeito em exercício, Valberto Wiggers Michels (PT).
Em Gravatal, a situação também é ruim. Ontem, o prefeito Rudnei Carlos do Amaral Fernandes (PMDB), o Nei, viajou a Florianópolis para fazer a entrega da documentação de situação de emergência à Defesa Civil do Estado. Os bairros mais atingidos foram Várzea das Canoas, São Roque, Ângulo, Pouso Alto, Sanga da Areia, Caruru, Coloninha e Sertão dos Medeiros. Pelo menos duas cabeceiras de pontes foram destruídas, uma na comunidade do interior, em Bela Vista e outra São Roque. 
 
Ao decretar situação de emergência, as cidades podem buscar recursos junto aos governos estadual e federal para obter recursos.
 
Mais de 500 toneladas de entulho devem ser recolhidas
As enxurradas acarretaram sérios problemas para as praias de Laguna e Imbituba. A orla está cheia de galhos de árvore, madeiras e lixo. Os municípios já começaram os trabalhos de limpeza. 
Desde o fim de semana, a praia do Mar Grosso está coberta por sujeira. A secretaria de obras da prefeitura de Laguna já recolheu 72 caminhões de entulho no balneário. De acordo com o secretário de planejamento, Jefferson Crippa, podem ser recolhidas 500 toneladas de material. A estimativa é que a praia do Gi tenha o dobro de entulhos. 
A limpeza do local levará de 10 a 15 dias. O custo pode chegar a R$ 100 mil. O material recolhido é levado para o pátio da secretaria de obras. Padarias, pizzarias e comerciantes interessados  em utilizar os galhos e madeiras como lenha podem procurar o local, na rua avenida Eng. Colombo Machado Salles, no Centro Administrativo Tordesilhas.
Em Imbituba, a praia da Vila também passa por limpeza. Enquanto as equipes não encerram os trabalhos, os banhistas devem evitar ir ao mar. 
Um relatório, elaborado por Laguna, deverá ser apresentado ao presidente da Amurel, Celso Heidemann, prefeito de Santa Rosa de Lima, para solicitar que em outras situações similares a esta possam ser destinados recursos para ajudar na contratação de máquinas. O motivo é que todo entulho desembocado em Laguna é trazido pelo rio Tubarão.
 
No estado
Em Santa Catarina, 61 municípios foram afetados com fortes enxurradas. Destes, 43 decretaram situação de emergência (na região, Tubarão, Grão-Pará, Imaruí, Pedras Grandes, Armazém, Gravatal, Imbituba e Braço do Norte) e um de calamidade pública.