Depois de tentar na justiça a liberação para a quimioterapia e não conseguir, José Carlos Mendes (49) de Tubarão, terá que arcar com a medicação, mas o custo é muito alto e a família não tem condição financeira.

Na página do Facebook a esposa Marcella Braga Mendes (25), fez um comunicado que não é mais possível esperar pelo Governo e agora estão arrecadando dinheiro para iniciar o tratamento.

” Fomos bastante relutantes quanto à questão da vaquinha virtual, porém não podemos mais adiar. Avaliamos algumas situações possíveis, e resolvemos encarar. Já passamos por tantas, essa será mais uma. Precisamos de ajuda pra podermos comprar as primeiras 3 caixas da quimioterapia. O valor mais em conta que encontrei foi de R$ 32 mil”.

Marcella disse que o valor é mensal e pediu para os amigos compartilharem.

“Compartilhem o quanto puderem, a ajuda de todos vocês têm sido essencial. Quero dar dignidade ao meu esposo e uma chance de se tratar a tempo. Agradeço a todos pela união nessa corrente!”

O valor total da Vakinha Virtual é R$ 102 mil. Você pode acessar aqui e fazer a sua doação.

Situação

Carlos recebeu o diagnóstico de câncer no pulmão metastático no dia 28 de março de 2016. Desde esta data, ele e seus familiares lutam para conseguir um tratamento digno e em tempo hábil para salvar a sua vida. Após mais de 730 dias, foram diversas sessões de quimioterapia hospitalar, radioterapia na coluna e, por fim, quimioterapia via oral (Tarceva) por tempo indeterminado.

Conforme Marcella ele faz uso de uma medicação no valor de R$ 9 mil mensais, fornecida pelo Estado. Porém, desde novembro passado, após consulta médica foi realizada a troca de remédios. “O médico modificou a medicação porque a que o Carlos utilizava não tem mais o efeito esperado. Infelizmente, não temos condições de custear e, em janeiro, entramos com uma ação contra o Estado para o fornecimento ou o pagamento desses novos remédios, mas ainda não tivemos uma resposta. Uma caixa com 30 comprimidos sai por R$ 32 mil”, conta.

Marcella afirma que desde a descoberta da doença, ela e todos os que o cercam aprenderam a viver um dia após o outro. “O Carlos não se apequena diante da missão de conseguir o tratamento. Isso é digno de admiração, a sua fé e forçam aumentam a cada dia. Estamos juntos nessa jornada e cremos que o câncer será vencido. O milagre da vida ocorre todos diariamente. Tivemos que acionar a justiça para obter remédios. E vamos recorrer quantas vezes precisarmos para alcançarmos algo que temos direito”, afirma.

As medicações para o tratamento via oral não são fornecidas pelo Sistema único de Saúde (SUS) há dois anos. Para custear o tratamento, familiares e amigos de Carlos lançaram uma campanha na internet #Liberaaquimio e #LiberaaquimiodoCarlos para chamar a atenção do Estado e também do poder judiciário.