#Pracegover foto: na imagem há carne animal e maquinários
#Pracegover foto: na imagem há carne animal e maquinários

O Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal (PF) finalizou o laudo realizado nas carnes apreendidas durante a Operação Hefesto, desencadeada em setembro de 2021, em Morro da Fumaça. O estudo confirmou a suspeita de que o material, localizado em um Centro de Tradições Gaúchas (CTG) no bairro Frasson, era de cavalo.

A operação investigou crimes de venda de carne de equino moída para consumo humano, além de furto de gado, tráfico de drogas, associação para o tráfico, organização criminosa, receptação, venda e posse de armas e comercialização de produto veterinário falsificado. Nove pessoas foram detidas durante as investigações, mas foram liberadas dias depois, após habeas corpus concedidos pelo Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, no Distrito Federal.

A PF analisou sete porções das carnes apreendidas à pedido da Polícia Civil de Morro da Fumaça. A partir das amostras foram obtidas sequências genéticas que apresentam 100% de similaridade com carne de cavalo-doméstico. Veja abaixo o trecho do documento assinado pelos técnicos do Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal.

Durante a operação, foram apreendidos 520 quilos de carnes, além de cinco armas, munições, dinheiros e cheques. Embora nem todo o material tenha passado por perícia, o delegado de Polícia Civil, Ulisses Gabriel, responsável pelas investigações afirma que, diante do laudo, é possível afirmar que toda a carne era de equino.

“Pegamos pedaços de várias carnes e a análise é feita por amostragem. Não analisamos os 520 quilos, mas, em tese, sim, todas eram de cavalo”, reforçou a autoridade policial.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: Engeplus