A Polícia Civil de Goiás concluiu a primeira investigação sobre o caso João de Deus e o indiciou sob a suspeita de violência sexual mediante fraude.

O relatório final do inquérito diz que ele cometeu uma espécie de estelionato, ou seja, propôs um tratamento de cura espiritual com o intuito de cometer uma violação.

A vítima neste inquérito é uma mulher de cerca de 40 anos, que alega ter sido molestada em 24 de outubro.

O caso agora será analisado pelo Ministério Público de Goiás, que decidirá se denuncia o médium. Se condenado pelo crime, ele pode pegar entre dois e seis anos de prisão em regime fechado.