Tatiana Dornelles
Tubarão

Somente de janeiro a maio, o número de incêndios em residências e estabelecimentos comerciais em Tubarão foi considerável: 16. As causas são as mais variadas, como curto-circuito na rede elétrica, vazamento de gás, sobrecarga na rede ou mesmo devido a velas e fósforos acesos. Por isso, alguns cuidados são necessários.

No último fim de semana, duas casas, localizadas no bairro Santo Antônio de Pádua, em Tubarão, foram completamente destruídas pelas chamas após um possível curto-circuito. Isso ocorre, geralmente, devido à instalação elétrica mal feita, fios emendados ou materiais inadequados ou de má qualidade usados.

“Quando uma pessoa compra ou aluga uma casa, deve fazer uma revisão de toda a instalação elétrica. Mesmo que gaste um certo valor com isso, está garantindo a segurança dos seus bens”, orienta o comandante do Corpo de Bombeiros de Tubarão, major Carlos Moisés da Silva (na foto).
Muitas vezes, a residência é antiga e a rede não foi dimensionada para tantos eletrodomésticos.

”Antigamente, não havia tantos eletrodomésticos. Hoje, a pessoa não se atêm que, muitas vezes, aquela tomada não está preparada para receber o plugue da TV, do DVD, do videogame, enfim. O correto é sempre chamar um técnico para fazer a revisão da fiação.

O botijão de gás também deve ficar na rua, mas muita gente deixa dentro de casa”, ressalta. O ideal, ao sair de casa, é tirar todos os fios da tomada, principalmente os que passam por trás de móveis. “As emendas nos fios também são perigosas, pois provocam o aquecimento, o que pode levar a um incêndio”, explica.

Outro fator importante é saber onde fica o disjuntor. Todas as pessoas da casa devem saber o local exato. “No caso da necessidade de desligar, para evitar um incêndio ou até choque elétrico, por exemplo, os moradores sabem onde fica”.