Zahyra Mattar
Tubarão

Dois homens são monitores em Criciúma, com suspeita de estarem com a gripe suína. Ambos chegaram de viagem do México e Estados Unidos há dez dias, aproximadamente. Eles foram atendidos no sistema público de saúde e seguem em tratamento monitorado em suas casas. Os dois apresentaram febre alta repentina (superior a 38° C) acompanhada de tosse, dores de cabeça, musculares e nas articulações. Os exatos sintomas da gripe suína.

Um dos pacientes apresentou o quadro durante consulta em uma das unidades de saúde do município. “Fizemos coleta de material para diagnóstico laboratorial e encaminhamos para o Lacen, em Florianópolis. Porém, enquanto não temos a confirmação, este paciente está sendo monitorado em sua casa”, explica a técnica em enfermagem da prefeitura de Criciúma, Neiva Colle.

Já o outro homem, foi atendido no Hospital São José. Ele foi medicado e segue em observação em sua casa, conforme orientação da diretoria de vigilância epidemiológica do estado. A intenção era trazer os dois pacientes para exames e internação no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão.
A instituição tubaronense é referência na área e dispõe de uma equipe completa e treinada para atender casos infectocontagiosos como a gripe suína. Ontem, a assessoria de comunicação do HNSC confirmou que foi acionada para a possível transferência, mas garantiu que o transporte não foi feito.

Em um comunicado na tarde de ontem, a instituição informou que está preparada e equipada “para atender pacientes com a influenza suína. Porém, não há nenhum caso suspeito em observação no hospital”. Apesar de Criciúma também ter um hospital credenciado junto ao Ministério da Saúde (MS) para atender possíveis pacientes com os sintomas da gripe suína, o HNSC é o único de referência em todo o sul.

Enquanto não se descarta ou não se confirma os casos suspeitos em Criciúma, as autoridades de saúde de todo o sul catarinense elevaram o nível de monitoramento, especialmente nos hospitais, para não deixar escapar qualquer outro cidadão que possa apresentar os sintomas. Se necessário, o HNSC será acionado e o transportes de pacientes será feito exclusivamente por equipes do Samu, conforme orientação do MS.

Recomendações
O consumo de produtos de origem suína não representa risco à saúde humana. A auto-medicação, além de desaconselhada, é prejudicial porque pode mascarar os sintomas.
As vacinas contra a gripe atualmente disponíveis não oferecem proteção contra infecção do vírus da influenza pelo vírus do AH1N1, ou gripe suína.
Quem voltou de áreas de risco, como Estados Unidos, Espanha ou México, por exemplo, e apresentar qualquer sintoma parecido, deve procurar o sistema público de saúde.