Tubarãão

Pelo menos um bilhão de aves e 20 milhões de suínos poderão morrer nos próximos dias devido à falta de ração no campo, fora os animais que estão em caminhões não autorizados a transitar nas rodovias do país. Com a paralisação dos caminhoneiros, o risco aumentou, de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (Abpa).

Em nota divulgada nesta sexta-feira, a Abpa informa que o acordo negociado entre o governo e o movimento de paralisação, ‘ainda não surtiu efeito nas estradas’. “Caminhões com carga viva não são autorizados a transitar. A situação mais grave está no trânsito de ração, que tem sido impedido”.

O alerta da associação teve apoio do presidente Michel Temer nesta sexta-feira. “Acabei de verificar uma coisa muito desagradável: os frangos estão morrendo. Estão se canibalizando, nem sabia disso. Uma coisa terrível para os produtores, principalmente em Santa Catarina”.

A entidade informa ainda que em diversos locais há falta de insumos e animais, colocando em risco a alimentação dos bichos: “Aqueles que ainda contam com estoques, estão fracionando para prolongar ao máximo a oferta do alimento”.

Só nesta sexta, a Abpa registrou 152 plantas frigoríficas de aves e suínos paradas. Mais de 220 mil trabalhadores estão com atividades suspensas. “A situação setorial é caótica. Empresas poderão fechar pelos prejuízos causados pela paralisação. Uma intervenção rápida e forte por parte do governo é urgente para evitar a mortandade de milhões de animais”.

Na tentativa de evitar o desabastecimento e os prejuízos aos produtores, Temer anunciou nesta sexta que militares vão desbloquear estradas e atuarão para garantir que caminhões possam chegar ao destino. “Vamos garantir a livre circulação. O governo espera e confia que cada caminhoneiro cumpra o seu papel.”, avisou.