Liliane Dias
Grão-Pará

Apesar de não ser possível uma revisão do eleitorado, devido à proximidade com o pleito de outubro, alguns eleitores de Grão-Pará poderão ter que se apresentar ao cartório eleitoral da 44ª zona de Braço do Norte para prestar esclarecimentos referentes aos seus endereços domiciliares.

A decisão foi tomada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), em maio, após uma denúncia feita pelo PMDB, PSDB e PT do município. Por haver uma lista com aproximadamente 200 nomes anexada ao processo de solicitação, o TRE determinou que fosse feita uma averiguação das denúncias.

O analista judiciário da 44ª zona eleitoral de Braço do Norte, Orlando Carlos Almeida Vairich, explica que entre segunda e sexta-feira foram procurados de 30% a 40% das pessoas mencionadas. Destas, menos da metade foram localizadas e apenas três pessoas compareceram ao cartório para apresentar a documentação.
“A dificuldade em localizar estas pessoas é porque a maioria é da zona rural”, argumenta. De acordo com a lei, as pessoas relacionadas que não forem encontradas terão que comparecer ao cartório eleitoral para justificar.

Não residir é diferente de não ter domicílio eleitoral. Uma pessoa pode não residir por algum motivo na cidade, mas ter domicílio eleitoral. Um exemplo são os estudantes, que precisam permanecer em outros municípios. “Por isso, todos os casos serão analisados. Se constatarmos que não há vínculo eleitoral, os títulos serão cancelados”, alerta a juíza de Braço do Norte, Lara Maria Souza da Rosa Zanotelli.

Informações
Orlando ressalta também que os nomes foram encaminhados nesta sexta-feira às rádios da região para divulgação. As pessoas não encontradas poderão tomar conhecimento da convocação e poderão buscar regulamentar a situação. “Os eleitores deverão comparecer ao cartório eleitoral até o próximo dia 15. Os que não regularizarem antes da eleição, terão os títulos cancelados e não poderão participar das eleições deste ano”, adverte o analista jurídico.