São Paulo (SP)

A Bovespa Bolsa de Valores de São Paulo já acumula perda de 17,55% no mês, com a sequência de quedas dos últimos dias. A quebra do Lehman Brothers (banco de investimentos americano), a compra do Merrill Lynch e os problemas da AIG reforçaram o nervosismo latente dos investidores com os desdobramentos da crise dos créditos “subprimes”.

No sinal mais claro do aumento da aversão ao risco, o dólar disparou e surpreendeu os profissionais de mercado ao atingir R$ 1,86 ontem.
O termômetro da bolsa paulista, o Ibovespa, desvalorizou 6,74% e desceu para os 45.908 pontos. Trata-se da menor pontuação desde 2 de abril de 2007. Em 2008, a baixa acumulada chega a 28,1%. Entre as 66 ações que compõem o Ibovespa, nenhuma registrou valorização.

As principais bolsas européias e americanas amargaram perdas no fechamento, a exemplo de Londres (declínio de 2,25%), Paris (baixa de 2,26%) e Frankfurt (queda de 1,74%). Nos Estados Unidos, a mundialmente influente Bolsa de Nova York despencou 4,06%, declínio visto muito poucas vezes em Wall Street.