Zahyra Mattar
Tubarão

O Grupo de Apoio à Prevenção à Aids (Gapa) de Tubarão sempre prestou um serviço imprescindível à população portadora do vírus HIV, transmissor da Aids, uma doença que não tem cura. Além do apoio psicossocial, a entidade disponibiliza atendimento e orientação também aos familiares.
Entre os projetos para serem desenvolvidos a partir deste ano, estão a implantação de uma sala de fisioterapia e a criação de uma farmácia alternativa. Para alavancar estes planos, o Gapa conta apenas com a ajuda da comunidade. Muitos cidadãos auxiliam mensalmente a entidade através de doações em dinheiro. Tudo feito formalmente, com nota fiscal e por colaboradores voluntários devidamente credenciados e identificados.

Nesta semana, a presidenta do Gapa, Regina Domingos, descobriu, através de uma empresária de Tubarão, que um homem de cabelos claro e desleixado, magro, alto e com idade aparente de 35 anos, passa pelo comércio de Tubarão e identifica-se como sendo do Gapa. “Ele diz que faz parte do grupo e precisa vender, em nome do Gapa, dez cotas de uma rifa para ajudar no tratamento de uma criança com problema de ouvido. O Gapa não pede nada em nome de ninguém em específico. Também não vendemos rifas para angariar recursos para o tratamento de crianças”, esclarece a presidenta.

Regina explica ainda que os colaboradores da entidade, quando passam para efetuar a cobrança mensal voluntária parceiros do Gapa, estão identificados com crachá e emitem uma nota fiscal. “Pedimos que, se isso ocorrer com mais alguém, nos avisem. A instituição levou anos de trabalho árduo para conquistar espaço e não queremos nosso nome envolto em golpes. Nosso trabalho é sério e transparente”, reforça. Informações podem ser repassadas pelos telefones 3632-7416 e 9933-3758.