Garopaba

O Estação Cultural não vai parar no próximo mês e leva a 36 cidades catarinenses a sua programação de apresentações artísticas e oficinas. O projeto itinerante é promovido pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC) em parceria com as prefeituras municipais que receberão as atrações. Nos últimos dias, o público de 23 municípios pôde participar das atividades do Estação Cultural de forma gratuita.

Receberão as atividades do Estação Cultural no mês que vem Garopaba, Agrolândia, Araranguá, Balneário Camboriú, Blumenau, Brusque, Caçador, Campo Erê, Campos Novos, Canoinhas, Capivari de Baixo, Concórdia, Curitibanos, Florianópolis, Fraiburgo, Ibirama, Imbituba, Irani, Ituporanga, Jaraguá do Sul, Joinville, Laguna, Mafra, Maravilha, Palma Sola, Porto União, Rio do Sul, São Bento do Sul, São João do Oeste, São Miguel do Oeste, São Pedro de Alcântara, Seara, Taió, Timbó, Tubarão, Urubici e Videira.

O Estação Cultural deu início às suas atividades com apresentações culturais em dezembro passado em cinco cidades: Garopaba, Ituporanga, Quilombo, São Lourenço do Oeste e Lages. Na etapa atual, que segue até abril, os municípios recebem, também, oficinas com foco em diversos segmentos artísticos como música, literatura, dança, patrimônio, entre outros. Para participar das oficinas, os interessados devem entrar em contato diretamente com o departamento de Cultura de cada município para mais informações.

 A iniciativa da FCC é embrião de uma política pública que visa à democratização do acesso às atividades culturais, com atrações de abrangência estadual. O objetivo é contribuir para atrair diversos tipos de públicos, valorizando ações que fomentem a reflexão e a discussão dos temas abordados e possibilitando a troca de linguagens artísticas e culturais entre as regiões catarinenses.

 “O Estação é um projeto de circulação, integração e de estímulo à produção cultural catarinense. São mais de 150 projetos selecionados, mobilizando todas as regiões catarinenses, levando as mais variadas formas de expressão artísticas e também de conhecimento, por meio de oficinas. O que o projeto busca é a valorização do nosso artista, da sua produção e também a formação de público no Estado”, explica o presidente da FCC, Rodolfo Joaquim Pinto da Luz.