#Pracegover Foto: na imagem há uma mulher jovem de jaleco e com um esteto no pescoço
#Pracegover Foto: na imagem há uma mulher jovem de jaleco e com um esteto no pescoço

Uma enfermeira de apenas 24 anos morreu após receber uma injeção no Hospital dos Servidores de Pernambuco (HSP), em que trabalhava há um mês. Adriana Frade atuava no bloco cirúrgico do hospital e pediu um medicamento para cólicas menstruais, mas acabou recebendo noradrenalina, estimulante usado para ressuscitação cardiopulmonar.

A morte da enfermeira foi confirmada pelo governo do estado – que é responsável pela administração do hospital. A causa foi devido ao “uso de medicação intravenosa”. O caso aconteceu na quarta-feira (4) e o sepultamento do corpo da enfermeira aconteceu nesta sexta-feira (5), no Cemitério Morada da Paz, em Paulista.
Na nota divulgada pelo Hospital dos Servidores, a unidade de saúde informou que houve “um acidente envolvendo uma enfermeira que usou medicação intravenosa, levando-a graves consequências ao seu estado de saúde”. Outro trecho do comunicado dizia que o corpo clínico adotou procedimentos para salvar a vida da profissional, mas que, pela gravidade do quadro, a mesma veio a óbito.
A enfermeira tinha se formado no primeiro semestre de 2020 na Universidade de Pernambuco (UPE) e estava com data marcada para o seu casamento, que aconteceria em setembro. De acordo com familiares, os médicos chegaram a passar 50 minutos tentando reanimar a jovem antes de encaminharem ela até à Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde pouco tempo depois ela faleceu após uma parada cardíaca.
O corpo da enfermeira foi encaminhado ao Instituto de Medicina Legal (IML), para passar por exames. A causa da morte foi apontada como edema agudo pulmonar. Mas o caso ainda segue sendo investigado. A direção do Hospital dos Servidos informou ainda que “os fatos e circunstâncias serão objeto de apuração por meio dos devidos processos legais, em todas as instâncias cabíveis”.