Romilton Crozetta da Cunha salienta que uma nova paralisação poderá ocorrer ainda neste ano  -  Foto:Jailson Vieira/Notisul
Romilton Crozetta da Cunha salienta que uma nova paralisação poderá ocorrer ainda neste ano - Foto:Jailson Vieira/Notisul

Tubarão

Depois de mais de quatro meses de greve, os médicos peritos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em Santa Catarina aderiram à decisão nacional da categoria de retomar ao atendimento de casos de pacientes para a primeira perícia a partir da próxima segunda-feira. Durante a paralisação, mais de 2 milhões de perícias deixaram de ser feitas no país.

De acordo com o suplente de delegado da Associação Nacional dos Médicos Peritos (ANMP) na região, Romilton Crozetta da Cunha, a interrupção ocorreu porque neste tempo nenhuma das reivindicações da categoria foi atendida e isso causou um desgaste grande. 

“Vamos voltar aos trabalhos e acredito que em três meses colocaremos em dia os agendamentos atrasados. Continuamos em estado de greve e não descartamos uma nova paralisação no decorrer deste ano”, salienta o médico que realiza as suas funções no INSS de Tubarão. De nove profissionais que atendem na Cidade Azul, apenas um continuou a trabalhar.

Os médicos reivindicam, entre outros benefícios, aumento salarial de 27,5% e redução da jornada de trabalho de 40 para 30 horas semanais, incorporação da gratificação vinculada à fila de atendimento e concurso público. Reagendamento e orientações aos segurados serão feitas pela Central de Atendimento 135.

Conforme os representantes do Ministério do Planejamento, o INSS dispõe atualmente de 4.351 servidores peritos médicos, no qual o salário inicial para uma jornada de 40 horas é de R$ 11.383,54, e poderá chegar a R$ 16.222,88.