Além da folia do Rei Momo, o domingo (26) de Carnaval será marcado por mais um evento: o 1º eclipse solar anular do ano. O fenômeno, raro devido à sua estreita faixa de observação, poderá ser visto em boa parte do Brasil e deve durar pouco mais de uma hora.

A passagem da lua na frente do sol acontecerá a partir das 10h45min e deve terminar às 12h30min. No Brasil, quem mora nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste terá melhor visualização. O sul catarinense terá 53% de visibilidade, com a cobertura parcial do astro pela lua.

No Nordeste, os estados mais próximos do Sudeste, como a Bahia, poderão também acompanhar o evento. Isso também vale para quem estiver no sul da Argentina e do Chile, bem como na região centro-sul da África.

O eclipse não será total, mais sim anular. Isso ocorre porque o disco da lua não estará com tamanho o suficiente para encobrir todo o sol. Por causa disso, será vista uma espécie de “anel de fogo” em volta do satélite natural.

Esse evento é raro por ser visto em uma faixa muito estreita do planeta. “Todo ano temos ao menos um eclipse solar anular, mas como é visto em poucos lugares, tem pessoas que nunca tiveram essa chance”, disse a pesquisadora Josina Nascimento, da Coordenação de Astronomia e Astrofísica do Observatório Nacional.

Um eclipse solar só acontece quando a lua está alinhada com o sol e a Terra, em fase de Lua Nova. “Os eclipses da lua e do sol sempre ocorrem em datas próximas. Tivemos um eclipse lunar em 10 de fevereiro e agora temos um do sol. Isso não é coincidência”, declarou a pesquisadora, que indica as órbitas da lua e do sol como motivo para que eles aconteçam com intervalos próximos.

Outro eclipse solar irá acontecer em agosto deste ano, mas ele será visível no Brasil apenas na região Nordeste.

Como observar

Diferentemente do eclipse lunar, é preciso ter muito cuidado ao observar o sol durante o fenômeno astronômico. Usar óculos escuros ou filme de raio-X não é o suficiente. Claro, nunca se deve olhar para o sol sem proteção.

A solução é utilizar um telescópio com proteção contra raios ultravioleta. Se você não tem um equipamento desses na sua casa, outra forma de observar o fenômeno é utilizar um anteparo, que pode ser algo tão simples quanto uma folha de papel com furos pequenos. Também será possível assistir o fenômeno via internet.