Apresentação do Plano de Saneamento foi feita esta semana na câmara. Agora, o documento será transformado em lei
Apresentação do Plano de Saneamento foi feita esta semana na câmara. Agora, o documento será transformado em lei

Imbituba

 

Imbituba é o primeiro município da região dos lagos a ter seu Plano de Saneamento concluído. O documento, que projeta investimentos e obras ousados, foi apresentado esta semana.
 
O prazo de execução das ações é de 35 anos. O investimento estimado supera a cifra de R$ 200 milhões. Apesar de ser ciente de que há muito o que fazer na área, o prefeito José Roberto Martins (PSDB) valoriza o fato de que o primeiro passo foi dado em 2007.
 
Naquele ano, houve a implantação da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e da primeira rede de coleta, no bairro Paes Leme e parte do Centro. “Além disso, hoje todas as obras de pavimentação só saem do papel se o projeto contemplar também a parte de drenagem”, enfatiza o prefeito.
O engenheiro da secretaria de desenvolvimento urbano e ambiental da prefeitura, José Francisconi, pontuou ainda que a futura lei é importante para que a cidade não sofra mais com relação a alagamentos e perdas irreparáveis por falta de obras que privilegiem a drenagem.
 
“Pagamos por um erro e uma irresponsabilidade do passado. Ruas que simplesmente foram pavimentadas, sem qualquer drenagem, hoje causam grandes transtornos, como alagamentos e mau cheiro”, considera o engenheiro, que participou ativamente do desenvolvimento do plano de saneamento.
 
Os próximos bairros a receberem os serviços de esgotamento sanitário, cujas obras já iniciaram, são Vila Nova Alvorada e Vila Alvorada. “Não podemos mudar um problema tão complexo da noite para o dia, mas podemos sim priorizar e trabalhar para que as ações ocorram mais rapidamente”, avalia o prefeito Beto.
 
Municipalização da água é debatida
Uma questão bastante debatida na audiência que apresentou o Plano de Saneamento de Imbituba foi o trabalho da Casan no Município. Grande parte dos presentes manifestaram-se insatisfeitos com o serviço prestado pela estatal.
O clamor público é para que a prefeitura cobre melhores resultados da empresa. A municipalização do sistema de água e esgoto também veio à tona.
O assunto já é fomentado dentro da prefeitura e uma resposta mais concreta sobre isso, antecipou deverá ser definido até o fim deste primeiro semestre. O contrato entre o município e Casan encerra em agosto.
 
O Plano de Saneamento de Imbituba
odos os setores que envolvem a questão de saneamento foram contemplados: abastecimento de água, esgotamento sanitário, manejo de resíduos sólidos e limpeza pública, manejo de águas pluviais e drenagem. Confira algumas das metas da futura lei:
♦ Atender 100% da população com água tratada (hoje o índice é de 96%).
♦ Chegar a 80% da população com tratamento de esgoto doméstico.
♦ Solucionar os pontos deficientes em drenagem da cidade.
♦ Reduzir em 20% a quantidade de lixo destinado ao aterro sanitário.
♦ Diminuir em 75% as doenças em decorrência da falta de saneamento básico.
♦ Reduzir o desperdício de água tratada no sistema de abastecimento para 20% (atualmente, este índice é de 50%).
 
 Faça sua sugestão
O Plano de Saneamento ficará disponível no site da prefeitura (www.imbituba.sc.gov.br) durante sete dias para consulta pública e envio de sugestões e críticas. Após este prazo, o documento será transformado em lei e encaminhado para votação na câmara de vereadores.