Zahyra Mattar
Tubarão

O consumo de energia elétrica no país cresceu 7,1% no mês passado, em relação ao mesmo período de 2009. Isto equivale a 35.006 gigawatts-hora (GWh). Na região de Tubarão, o percentual não é diferente. Pelo contrário. A demanda cresceu o equivalente ao registrado no país em agosto: 7%.

Não na mesma proporção, o sistema de abastecimento ainda não é o adequado, especialmente para atender a demanda do verão, quando a região quase triplica o número de “moradores”. A regional da Celesc em Tubarão investe cerca de R$ 7 milhões por ano para garantir o abastecimento.

E ainda é pouco. “Atualmente, existem três regiões preocupantes: Jaguaruna, Sangão e Garopaba. Nestes locais, se nada for feito agora, em dois anos terão a economia estagnada por conta da falta de energia elétrica. Exatamente como ocorreu no Vale do Braço do Norte”, compara o gerente regional da Celesc, Gerson Bittencourt.

m Sangão, uma nova linha de transmissão será feita. A atual tem capacidade para 16 megawatts (MW). A cidade precisa de 14 MW. Paralelamente, um novo transformador será instalado nas subestações, a fim de aumentar a capacidade de abastecimento: passará para 42 MW. Quantidade suficiente para atender Sangão e Jaguaruna com folga.

Em Tubarão, um equipamento igual será instalado em dois meses. Aqui, a meta é evitar transtornos como os ocorridos no verão. A subestação é capaz de gerar até 55 MW por hora. A cidade consome até 50 MW por hora. E isto é o percentual do inverno. Com o investimento, a subestação terá capacidade de 81 MW. “Só assim para garantir o ar-condicionado do consumidor”, garante Gerson.