Barretos (SP)

Em breve, Heloísa Espíndola Leal, de 3 anos, de Tubarão, fará tudo que uma criança de sua idade tem direito. A garota está prestes a receber alta do Hospital de Câncer de Barretos, em Barretos, em São Paulo. Após mais dois anos de tratamento de uma Leucemia  Mielomonocítica Juvenil (LMJ), ela venceu o câncer e retornará com os pais Sabrina Fermino Espíndola e Diego Paulinho Da Silva Leal.

Heloísa foi diagnosticada com LMJ aos 10 meses de vida. Na cidade do interior paulista passou por um transplante de medula óssea no ano passado. Essa nova medula é rica em células chamadas progenitoras, que uma vez na corrente sanguínea, circulam e vão se alojar na medula óssea, onde se desenvolvem. Por quase um ano, a menina foi acompanhada bem de perto pelos médicos para ver como está progredindo a medula.

De acordo com a mãe da menina, Sabrina, a menina voltará para Barretos a cada 4 meses para acompanhamento médico. “Vamos voltar com a Helô curada, graças a Deus! Ele fez o milagre na vida dela. Ela venceu! “, comemora.

Sabrina conta que chegar até a cura da filha não foi fácil. “Foram anos difíceis. Só quem passa por isso entende bem. A pediatra hematologista Mariene Viquetti, de Criciúma, foi quem nos deu o diagnóstico de câncer da Heloísa, quando ela tinha 10 meses. Essa leucemia é rara e tivemos dificuldade de diagnosticar”, lembra.

Na época, para auxiliar a família de Helô, amigos e familiares iniciaram uma campanha nas redes sociais,foi realizado um pedágio e rifas foram feitas para auxiliar no custeio do tratamento. A leucemia mielomonocítica juvenil é bastante rara, por isso, tem sido difícil o seu estudo, e não há nenhum tratamento quimioterápico padrão para esta enfermidade. O transplante de células-tronco é o tratamento de escolha, quando possível, uma vez que oferece a melhor chance de cura. Cerca da metade das crianças com LMJ que recebem o transplante estão livres da leucemia.