Uma coletiva de imprensa foi realizada hoje (25) para explicar os possíveis casos de meningite que alarmaram a população nesta semana, após dois óbitos de bebês que frequentavam o CEI Aníbal Maria Di França em Criciúma. No momento, nenhum dos dois casos foi confirmado como meningite, pois a confirmação ocorrerá em dez dias após o laudo do Lacen/SC, que é o Laboratório Central de Saúde Pública. 

Segundo a enfermeira coordenadora de infecção Hospitalar do Hospital Materno Infantil Santa Catarina (HMISC), Camila Borges, nesse momento nenhuma criança está em observação no pronto socorro do HMISC. A única que restava foi liberada há pouco, sem suspeita de meningite. A coleta do Líquor apresentou resultado negativo e a criança foi liberada.

O secretário municipal de saúde do município, Acélio Casagrande, reforça que os casos serão esclarecidos em breve. “Todos os cuidados foram feitos, e vamos continuar fazendo isso na medida em que nós vamos também reforçar a nossa equipe ainda mais para esclarecer isso à comunidade”.

Todos os que tiveram contato com as crianças que estiveram sob suspeita de meningite receberam uma medicação, a chamada quimioprofilaxia, que é uma medida de prevenção ou também serve para evitar o desenvolvimento da doença nos indivíduos infectados.