O Hospital de Clínicas de Porto Alegre confirmou nesta terça-feira (17/3) o primeiro caso de infecção entre Estados do novo coronavírus no Brasil.

Um exame feito no hospital da capital gaúcha confirmou que uma mulher de 31 anos que viajou a São Paulo e voltou com sintomas moderados da covid-19, a doença causada por este vírus, está infectada.

Ela e o marido viajaram à capital paulista no dia 6 de março por motivos profissionais.

Os dois trabalham com o conserto de smartphones. Como as peças de reposição não estavam chegando à capital gaúcha, eles viajaram a São Paulo para comprar estes materiais em centros de comércio popular nos bairros do Brás, da Consolação e na Avenida Paulista, na região central da cidade, onde havia uma grande concentração de pessoas.

O casal voltou para Porto Alegre na manhã do dia 15. À tarde, eles buscaram atendimento no Hospital de Clínicas. Dois exames atestaram que ela tem o novo coronavírus.

O marido da paciente também apresentou sintomas e foi testado para o Sars-Cov-2, como é chamado oficialmente o novo coronavírus, mas seu resultado foi negativo.

Eduardo Sprinz, chefe do serviço de infectologia do Hospital de Clínicas, afirma não haver dúvida de que a paciente se infectou na capital paulista.

“Ela não sabe nem de quem ela pegou. São Paulo é a única fonte possível. Dificilmente ela teria se infectado no Rio Grande do Sul, onde há apenas seis casos confirmados. É muito mais lógico pensar que você vai ser contaminado em um ambiente onde o número de vírus circulando é bem maior”, diz Sprinz.

Caso é inédito no país

São Paulo é a cidade mais afetada pelo novo coronavírus até o momento. Dos 234 casos confirmados oficialmente pelo Ministério da Saúde, 145 foram registrados na capital paulista, onde também foi identificado o primeiro caso desta pandemia no Brasil, em 26 de fevereiro.

O ministério informou, com base em dados coletados pelo infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência para o coronavírus de São Paulo, que os casos registrados até agora no Estado apresentam sintomas em um período de cinco dias, na média.

Até agora, não havia um caso de transmissão entre Estados. De acordo com os dados do governo federal, existiam apenas casos importados, em que a pessoa se infectou em uma viagem ao exterior, casos de transmissão local, em que o contágio ocorreu no Brasil por meio do contato próximo com um caso confirmado ou suspeito, ou ainda casos de transmissão comunitária, em que não é possível identificar a origem da infecção, nas cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo. Isso significa que o novo coronavírus está circulando entre a população nestas capitais.

Como a paciente gaúcha não sabe de quem pegou o vírus, seu caso se enquadraria como uma transmissão comunitária, mas, até o momento, não se tinha ciência de alguém que se infectou em uma viagem pelo país.

Sprinz afirma que, diante deste caso, o país deveria restringir ao máximo possível a movimentação no território nacional.

“Também devemos insistir para que todas as pessoas sejam testadas, e não apenas nos casos moderados e graves, como estamos fazendo na rede pública, e isolar quem der positivo”, afirma Sprinz.