O mercado financeiro na China iniciou a semana em pânico. As ações na bolsa de Xangai fecharam em queda de 7,72% nesta segunda-feira, 3. O motivo para o pânico está nos desdobramentos do surto de coronavírus, que já matou 361 pessoas na China — número superior do que toda a crise causada pela SARS, entre 2002 e 2003, que tirou a vida de 349 pessoas na China — e infectou mais de 17.000 pessoas. Este foi o primeiro pregão desde 23 de janeiro e após o Ano Novo Lunar.

Já a bolsa de Shenzhen despencou 9%, enquanto a semi-autônoma de Hong Kong, que voltou a operar no último dia 29, operava em leve alta de 0,09% nesta segunda. No Japão, a bolsa de Tóquio teve queda de 1,01%.

A bolsa brasileira pode sentir os efeitos dessa corrida chinesa. As duas maiores empresas na Bolsa de Valores de São Paulo, Vale e Petrobras, estão vendo seus ativos se desvalorizarem minuto a minuto. Os contratos de minério de ferro caíram ao limite de 8% nesta segunda. O petróleo também afundou o máximo permitido pelas autoridades financeiras chinesas.

Ainda era domingo em Xangai quando o Banco Central da China anunciara que iria injetar 174 bilhões de dólares (742,9 bilhões de reais) para garantir a liquidez no mercado de ações. Não adiantou. Os novos números da doença divulgados por lá no início da segunda-feira, 3, geraram pânico.

O surto do vírus também está levando a China a um isolamento. Estados Unidos, Índia, Austrália, Indonésia, Singapura, Israel, Rússia, Nova Zelândia e Filipinas impuseram restrições a viagens da China. Em Hong Kong, o governo autônomo diz estudar medidas para controlar o fluxo de viajantes. O anúncio foi uma resposta a uma ameaça de greve liderada por médicos de Hong Kong.