Uma das mais populosas cidades chinesas, Wuhan é o epicentro do surto de Coronavírus no país, e segue em quarentena desde 23 de janeiro, quando foi recomendado que as pessoas permanecessem dentro de casa.

O outro lado de tal situação calamitosa são as pessoas que não estavam na cidade e, com isso, não podem retornar para casa e para seus animais de estimação. Wuhan desde então se tornou uma cidade fantasma, e nela estima-se que 30 mil animais estejam abandonados sem seus donos.

Essa foi a maneira que o jovem Ye Jialin, morador de Wuhan, encontrou para ajudar a cidade a combater a epidemia, não em seu efeito fisiológico, mas sim emocional: cuidar, alimentar e resgatar os animais abandonados nas casas das pessoas não puderam voltar.

Trata-se de um trabalho voluntário, para o qual os donos enviam informações como senhas e chaves escondidas, ou simplesmente autorizam que Jialin arrombe as portas para salvar os bichanos – tanto gatos, mais populares na cidade, quanto cachorros.