Servidores de saúde foram exonerados dos seus cargos ontem de manhã. Prefeito alega cumprir recomendação do Ministério Público Estadual para cortar serviços que não sejam essenciais. Contratados devem entrar com liminar nos próximos dias. Briga e decisão deve mesmo ficar nas mãos do judiciário

Jaguaruna

Servidores do setor de saúde de Jaguaruna foram surpreendidos ontem de manhã ao receber uma notificação para se dirigir ao paço. Ao chegar ao local foram informados que estavam exonerados das suas respectivas funções. Sem entender ao certo a notícia, os servidores permaneceram até o fim da manhã no prédio à espera de informações oficiais.
Sem sucesso, os funcionários públicos não retornaram aos postos de atendimento. Segundo informações de um deles, diversos serviços de saúde ficaram paralisados e algumas unidades básicas funcionaram com apenas um profissional.
De acordo com uma das contratadas, que foi demitida do cargo, o ato é considerado um descaso com os servidores e com a população, que será prejudicada com a falta desses profissionais. “Ficamos sem saber o que fazer. Ninguém nos mostrou um documento oficial. Vamos procurar nossos direitos”, pretende a servidora.
Segundo o prefeito Edenilson Montini (PMDB), o ato das demissões foi uma recomendação da promotoria jurídica da Comarca. “Só estamos cumprindo uma determinação do Ministério Público. Tivemos uma reunião com a prefeitura no fim do ano e nos orientou a dispensar os servidores de setores que não sejam essenciais. Os serviços básicos serão mantidos”, garante. Ele reforça que o município necessita cortar gastos e os servidores contratados em caráter temporário precisaram ser dispensados no momento.
O advogado de alguns dos exonerados, Cássio Medeiros de Oliveira, relata que a preocupação maior é a descontinuidade do serviço público. O concurso está judicializado e a prefeitura está impedida de contratar novos servidores via certame, salvo seja essencial. Porém, serviços como saúde e educação não podem ficar desassistidos. “Estamos analisando o caso. Muitos concursados deixaram seus municípios para atuar em Jaguaruna. Médicos, enfermeiros, que compõe a estratégia saúde da família e são essenciais. A população não pode ficar sem atendimento. A prefeitura recebeu dinheiro de programas federais para ser investido por meio dos profissionais. Como vai ficar? São questões que precisam ser revistas e aguardar a decisão do Ministério Público”, detalha o advogado.

pag-4
Servidores permaneceram na prefeitura durante a manhã de ontem em busca de respostas sobre o caso. – Foto: João Carlos Idalêncio/Divulgação/Notisul.