Tubarão

Internamente, um setor de Controle de Perdas tem como meta analisar as diferenças no consumo, identificando de forma ágil, possíveis vazamentos e até ligações clandestinas. Em um desses levantamentos, a Tubarão Saneamento identificou que um estabelecimento comercial, do ramo alimentício, em Tubarão, estava com consumo zero, ou seja, apesar de conectada na rede de abastecimento, não consumia água tratada. De acordo com a Concessionária, o monitoramento do consumo de água é feito com bastante critério.

A água proveniente de fontes desconhecidas, principalmente em um estabelecimento que manipula alimentos, pode trazer riscos à saúde dos consumidores. Para se ter ideia do problema, as fontes de contaminação dos alimentos podem variar desde o contato do ar com os materiais desprotegidos, a presença de animais no ambiente, a higienização nas instalações, equipamentos e utensílios utilizados, até a água utilizada durante os processos.

No Brasil, segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), são registrados, em média, 700 surtos de doenças transmitidas por alimentos (DTA), com envolvimento de 13 mil doentes e dez óbitos. Além de contaminar os alimentos, a água também pode oferecer perigo à saúde.

De acordo com o artigo 45 da Lei N° 11.445/2007 e o artigo 6º do Decreto n° 7217/2010, toda edificação urbana será conectada ao abastecimento de água disponível. A lei ainda deixa claro que a autoridade municipal de saúde pública não autoriza o fornecimento de água para consumo por meio de outras soluções alternativas de coleta.