Um menino de seis anos está sendo considerado o Benjamin Button da vida real. Isto porque Bayezid Hossain de Bangladesh sofre com uma doença chamada progeria, condição que faz com que as crianças envelheçam mais rapidamente. Além disso, ele também sofre com cútis laxa, desordem do tecido conjuntivo que leva a flacidez extrema na pele.

Aos seis anos de vida, além da aparência, Bayezid também tem problemas de saúde que geralmente são relacionados a pessoas mais velhas, como dores nas juntas e dentes quebrados. Tripti Khatun tinha apenas 14 anos quando deu à luz seu filho Bayezid, ela havia se casado com o marido Lovelu Hossain um ano antes. Eles são primos de primeiro grau, mas não foi revelado se isto tem alguma relação com as condições de Bayezid.

A mãe relatou que ficou muito assustada quando viu seu filho pela primeira vez após o parto. “Eu fiquei aterrorizada quando ele nasceu. Ele era só pele e osso, parecia um alienígena. Meu coração ficou partido”, contou Tripti em entrevista ao jornal britânico Mirror.

Ela também contou que o desenvolvimento físico de seu filho em alguns aspectos é mais devagar do que das outras crianças e em outros é muito mais acelerado. “Por exemplo, ele conseguiu andar apenas aos três anos. Mas com três meses de vida ele já tinha quase todos os dentes na boca! Seu desenvolvimento físico é completamente diferente, mas mentalmente ele está muito bem, ele é mais inteligente do que as crianças de sua idade. Ele conversa muito bem e é muito esperto”, relatou Tripti.

A família também contou que no início Bayezid sofreu muito preconceito das pessoas da vila em que vivem, mas com o passar do tempo eles foram se acostumando.

Tripti e o marido já foram a diversos médicos, mas não encontraram nenhum tipo de tratamento para o filho. As doenças que ele tem não tem cura e os médicos já disseram ao casal que Bayezid provavelmente não passará dos 15 anos de vida. “Já falamos com todos os médicos possíveis e não adiantou. Meu filho parece um homem velho e como mãe dói muito ver meu filho assim. Mas eu tenho bastante orgulho dele porque ele é muito inteligente quando comparado às crianças da sua idade”, concluiu Tripti.