A Confer Construtora será a responsável por executar a segunda etapa, o enrocamento, do desassoreamento da Barra do Camacho, em Jaguaruna. A primeira fase, a dragagem – retirada de areia do canal, iniciou na manhã desta sexta-feira, dia 7, com a presença do governador Carlos Moisés, que assinou a ordem de serviço para o começo dos trabalhos.

O anúncio da empresa responsável por fazer o enrocamento – construção de barreiras de pedra nas laterais do canal – foi a novidade trazida por Moisés. É que o segundo lote da licitação do desassoreamento da Barra do Camacho até então estava indefinido. A Dratec Engenharia LTDA, que chegou a ser declarada vencedora do processo licitatório da segunda etapa, com uma proposta de R$ 3.258.237,26, desistiu da concorrência. Após o resultado, a empresa alegou que o valor proposto se tornou inexequível, ou seja, impossível de ser cumprido.

A Prefeitura de Jaguaruna, por meio da Comissão de Licitações, pediu que a empresa comprovasse formalmente que o valor era inexequível. O representante da Dratec Engenharia reforçou o desinteresse e alegou que não teria como justificar da inexequibilidade. O município ainda buscou os demais concorrentes da licitação, em ordem de classificação, para saber se havia interesse em assumirem a segundo lote da obra com o valor apresentado pela Dratec. Todas as respostas foram negativas.

“Como a gente ainda não havia homologado o resultado final, por conta da desistência da Dratec, procuramos outros meios para finalizar a licitação sem precisar abrir um novo processo. Com apoio a Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade foi possível que a segunda colocada, a Confer, fosse homologada como a vencedora das obras de enrocamento com o valor que ela havia proposto, de R$ 4,3 milhões”, explicou o prefeito de Jaguaruna, Laerte Silva.

A previsão é de que a obra do enrocamento inicie no próximo dia 17 de janeiro, paralela aos serviços de dragagem, que começaram já nesta sexta-feira. A previsão é de que todo o serviço de desassoreamento seja finalizado em até 12 meses. “Estamos aguardando há uns 20 ou 25 anos. O pessoal está bem ansioso, na expectativa de voltarem os pescados para a lagoa. Tanto almejamos essa obra, que agora está sendo cumprida pelo Governo do Estado”, avaliou o pescador Cristiano Oliveira.

Extração de areia

O governador também demonstrou interesse, após o fim das obras, em permitir a extração de areia do leito da barra para comércio, desde que com todas as licenças ambientais necessárias, de modo a manter o canal sempre desassoreado.

“O município e o Governo do Estado estão pensando em criar uma parceria público-privada para permitir a extração de areia do canal, a fim de evitar um novo fechamento do canal e também para movimentar a economia do município. A proposta é que a gente revitalize a draga atualmente e que ela seja entregue para as empresas que farão a extração no local, sendo responsável em manter a manutenção da draga e mantendo a barra aberta”, disse o prefeito.

Fonte: Engeplus