Construção dos prédios faz com que o canteiro de obras do consórcio Ponte de Laguna fique mais parecido com uma cidade. O ritmo dos trabalhos impressiona  -  Foto:Muriel Albonico/Esga-Dnit/Notisul
Construção dos prédios faz com que o canteiro de obras do consórcio Ponte de Laguna fique mais parecido com uma cidade. O ritmo dos trabalhos impressiona - Foto:Muriel Albonico/Esga-Dnit/Notisul

Laguna

 

O canteiro de obras do consórcio Ponte de Laguna, formado pelas empresas Camargo Corrêa-Aterpa/M.Martins/Construbase, mais parece uma cidade. Várias edificações são erguidas simultaneamente, como refeitório, escritório, dormitório, guarita, almoxarifado, oficina mecânica, central de concreto e ambulatório médico.
 
Um dos pontos que mais chama a atenção são os casarios, construído com placas de madeira pré-fabricadas. Um deles servirá de dormitório para os 660 trabalhadores que estarão diretamente ligados com a construção da nova passagem sobre o canal de Laranjeiras, na comunidade de Cabeçuda, em Laguna, na BR-101.
 
Serão construídas aproximadamente 165 acomodações. Cada uma terá capacidade para quatro pessoas. O escritório terá capacidade para alocar 100 funcionários. Já o refeitório é projetado para servir em torno de 1,5 mil almoços e 700 jantas diariamente.
 
A meta do consórcio é finalizar toda a estrutura dos casarios até fevereiro do próximo ano, mas pretende alocar os primeiros funcionários nos dormitórios já no próximo mês. O canteiro ainda vai disponibilizar aos funcionários áreas de recreação, com local para sala de jogos, TV, internet e quadras esportivas.
 
A área operacional está em construção, com trabalhos voltados para edificação dos boxes para depósito da matéria prima para confecção do concreto usinado, local para depósito de vergalhões de ferro, usina de concreto, área de preparo da ferragem de sustentação dos pilares e aduelas, carpintaria e mecânica, entre outras dependências operacionais.
 
Em alguns prédios a pintura é feita assim que as paredes são erguidas. O ritmo mais do que acelerado. O grupo tem pressa de começar a executar o projeto propriamente dito.
 
A construção que diferencia este canteiro de obras dos demais erguidos na duplicação da rodovia é o porto para ancoragem das balsas de transporte. A estrutura está com 80% da estrutura concluída. No momento, é construída a grua para carga e descarga das balsas.
 
Os caminhões dão espaço para as balsas
Diferentemente das demais obras de arte especiais (OAEs) construídas na duplicação da BR-101 sul, onde os caminhões imperavam no transporte de matérias primas, estruturas e equipamentos, na construção da ponte para transposição do canal de Laranjeiras, em Laguna, outro meio de transporte será empregado em larga escala. As balsas serão os caminhões da lagoa, utilizadas para carga de equipamentos, partes da ponte e trabalhadores. 
Mas, para que as balsas possam operar, o consórcio faz a dragagem da ‘estrada’ entre o canteiro de obras até o local de construção da ponte. A profundidade da lagoa em alguns pontos não permitia que os transportes de grandes dimensões navegassem, por isso a dragagem é necessária. 
Ao todo, serão utilizadas 35 balsas. Algumas delas, inclusive, já estão alocadas em Laguna. Pelas dimensões das embarcações, o transporte por terra foi impossibilitado. As balsas são trazidas desmontadas por mar.