Cíntia Abreu
Tubarão

A localização de um baú de entulhos em um terreno da prefeitura de Tubarão, na rua 27 de Maio, a do Cemitério Municipal, no centro da cidade, gera divergências entre moradores das proximidades e a secretaria de serviços públicos. O lote serve como uma espécie de depósito de restos de materiais de construção do cemitério.

O problema, porém, é que vez ou outra surgem restos de ossos, roupas e outros elementos que tornam o cheiro insuportável no local, além de servirem de ‘criadouro’ de animais transmissores de doenças. “Colocam restos mortais no terreno. O mau cheiro é insuportável”, confirma o comerciante Augusto Minatto Júnior. Ele mora ao lado do terreno.

A reclamação de Júnior foi constatada ontem. Ossos e roupas, supostamente vindos de caixões do cemitério, estavam dispostos em um saco preto, no terreno.
Segundo Júnior, o departamento de meio ambiente e secretaria de serviços públicos foram procuradas por ele. Porém, até agora, nada feito para solucionar o problema. “Recebi a denúncia há dois meses. Estivemos no terreno para averiguar a situação e só encontramos vasos de flores”, explica a diretora do departamento de meio ambiente da prefeitura, Luciana Nogueira Lavina.

Já o secretário Fabiano Bitencourt, rebate as denúncias de Júnior. Ele garante que nenhum tipo de material impróprio é depositado no baú. “Antigamente, o baú ficava em frente ao cemitério. Isso causava transtornos as pessoas. Não há nada de errado com o depósito”, avalia o secretário.

Investigação
O caso foi levado para a 6ª promotoria de meio ambiente de Tubarão, que anunciou: investigará a denúncia. “Iremos solicitar uma vistoria da Polícia Militar Ambiental. Antes disso, não poderemos fazer nada. Mesmo que os materiais não estejam mais no terreno, a investigação terá continuidade”, reforça a estagiária da promotoria, Camila Martins Viana, que falou em nome do promotor Sandro Araújo.