Laguna

Foram tantos ofícios enviados à Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), responsável pelo serviço de implantação do Sistema de Esgotamento Sanitário em Laguna, uma obra de R$ 44 milhões, e também à Construtora Fernandes (Confer), de Criciúma, vencedora da licitação e executora dos trabalhos, mas nenhum surtiu efeito. Quem enviou os ofícios? Representantes da prefeitura da Cidade Juliana que, cansados das reclamações dos munícipes, decidiram, nesta segunda-feira, que o seu setor jurídico irá preparar uma ação civil pública contra a Casan e a Confer.

Este processo surge devido aos danos causados e não reparados na pavimentação de várias ruas e avenidas, em virtude das obras do saneamento básico. A constatação dos problemas ocorreu há alguns meses. É possível notar o acúmulo de água da chuva, a falta de escoamento e inúmeros buracos nos pontos por onde a construtora passou. Com as chuvas torrenciais que caíram na Terra de Anita Garibaldi no fim de semana, alguns trechos não recuperados ou revitalizados de forma inadequada apresentavam crateras. Dezenas de veículos e até mesmo, segundo alguns moradores, acidentes, foram registrados devido aos transtornos infraestruturais.

Resumo da obra
• Investimento total: R$ 43.780.524,90;
• Ligações domiciliares executadas: 4.851 unidades;
• Rede coletora executada: 55,1 quilômetros;
• Estações Elevatórias de Esgoto: 9 unidades;
• Emissários: 3.093 metros;
• Estação de Tratamento de Esgoto Compacta: 2 módulos/vazão total de 90 l/s;
• População beneficiada: cerca de 40 mil.