As polícias Militar e Civil de Goiás cumpriram no Entorno do Distrito Federal, nesta semana mandados de prisão contra líderes religiosos. A Operação Caifás, do Ministério Público de Goiás, mira desvios de recursos da Diocese da Igreja Católica de Formosa e de paróquias ligadas a ela. Entre os presos está o bispo de Formosa, Dom José Ronaldo, que durante anos atuou no DF, sendo pároco em Sobradinho.

 

De acordo com o MPGO, foram desviados recursos arrecadados como dízimos, doações, taxas de batismo, casamento e outros serviços, e arrecadações festivas realizadas com apoio de fiéis. O total desviado é estimado em R$ 2 milhões. Quatro padres, um monsenhor, um vigário-geral e dois funcionários do setor de administração da Cúria também foram presos. O dinheiro, diz a investigação, foi usado na compra de uma fazenda, uma casa lotérica, carros e artigos de luxo.

 

Investigações começaram em 2015 

As investigações começaram em 2015, quando fiéis denunciaram os desvios. Também foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão em residências, na cúria da Diocese de Formosa, em paróquias de Planaltina de Goiás e Posse (GO) e em um mosteiro.

 

Durante as buscas, a políca encontrou montantes de dinheiro em espécie em mais de um local. Um deles foi no fundo falso de um armário na paróquia de Planaltina de Goiás que tinha R$ 70 mil e dólares, euros e peso argentino. Ainda na casa do monsenhor, o número dois na hierarquia da Igreja em Formosa e região, os investigadores apreenderam uma grande quantidade de aparelhos eletroeletrônicos, incluindo iphones e macbooks PRO, além de uma coleção de relógios de grife. 

 

As ordens judiciais em Formosa são nove de prisão e cinco de busca e apreensão; em Posse, são três de prisão e quatro de busca e apreensão; e em Planaltina, uma de prisão e uma de busca e apreensão. Todas as ações são contra lideranças religiosas ou administrativas ligadas à Igreja Católica.

 

De acordo com documento da 1ª Promotoria de Justiça de Formosa, a lista de investigados, para os quais foram solicitados mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva, é formada por Epitácio Cardozo Pereira; padre Waldson José de Melo; padre Moacyr Santana; padre Mário Vieira de Brito; Darcivan da Conceição Serracena; José Ronaldo Ribeiro; Duílio Rodrigues Menezes; Guilherme Frederico Magalhães; Antônio Rubens Ferreira; Pedro Henrique Costa Augusto; Edimundo da Silva Borges Junior.

 

Desses, Edimundo da Silva, Darcivan da Conceição e Duílio Rodrigues não foram presos, segundo o Ministério Público. Os agentes também apreenderam caminhonetes da cúria em nomes de terceiro.

 

O grupo de comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) está em reunião para decidir como conduzirá a situação. A Diocese de Formosa informou que ainda não há como se posicionar, já que o representante da equipe também é alvo da operação