Priscila Alano
Tubarão

Há muito tempo, alerta-se para o problema das árvores na beira-rio, em Tubarão. Levantamentos já foram realizados. Técnicos justificam que apenas arbustos deveriam ser plantados as margens do rio. Algumas já caíram sobre carros e também no rio.

Na última semana, o Notisul alertou sobre uma árvore que está inclinada e prestes a cair sobre a ponte Heriberto Hülse, ao lado da praça do Chafariz. O diretor da Defesa Civil do município, José Luiz Tancredo, enfatiza que o processo para a retirada das árvores é lento, por ser uma área de preservação permanente (APP).

O técnico da defesa Mário Ignácio garante que a árvore em questão será retirada hoje. “A secretaria de meio ambiente autorizou apenas o corte desta árvore na ponte”, destaca Mário.

A maioria das árvores foi plantada há cerca de 35 anos. A prefeitura fez um levantamento há poucos anos para identificar quantas precisam ser retiradas e substituídas. O número chegou a 900.

Por ser uma APP, nada pode ser tocado sem conhecimento e autorização de órgãos competentes. Até mesmo as limpezas precisam ser autorizadas pela Fatma e Polícia Militar Ambiental. Já o corte e a retirada das árvores da calha do rio, precisam de permissão da Secretaria de Patrimônio da União (SPU).

O gerente regional da Fatma em Tubarão, Rui Bonelli Bittencourt, afirma que até a última semana a prefeitura de Tubarão não solicitou novas licenças para o corte das árvores da beira-rio.